Mercados

Dividendos do Banco do Brasil (BBAS3): Veja o quanto banco pagará em 2024

12 fev 2024, 9:00 - atualizado em 09 fev 2024, 20:06
Banco do Brasil BBAS3
Serão oito fluxos de pagamentos, sendo quatro realizados ao longo dos trimestres de referência, de forma antecipada (Imagem: Kaype Abreu/Money Times)

O Banco do Brasil (BBAS3) reportou resultados e, junto com eles, mais dividendos e uma notícia animadora: revisão do payout de 40% para 45% no exercício de 2024, via juros sobre o capital próprio (JCP) e/ou dividendos.

“Isso significa que o valor pode chegar a R$ 17 bilhões, considerando o meio do intervalo sugerido pelo banco em seu guidance de R$ 37 bilhões a R$ 40 bilhões. O que representaria cerca de 10% de dividend yield para o ano de 2024″, coloca a XP Investimentos em relatório.

dividend yield é calculado a partir do valor de dividendos pagos pela empresa divido pelo preço da ação.

Serão oito fluxos de pagamentos, sendo quatro realizados ao longo dos trimestres de referência, de forma antecipada, e outros quatro pagamentos complementares, feitos após o encerramento dos trimestres de referência, explica.

Banco do Brasil: Caiu por quê?

Mesmo entregando um lucro acima do esperado, de R$ 9,44 bilhões, o Banco do Brasilenfrenta uma sessão ruim na bolsa nesta sexta-feira (9).

Na avaliação do Bradesco BBI, apesar de números acima do previsto, os resultados do Banco do Brasil levantam três “pontos importantes para reflexão” sobre as principais tendências para os próximos trimestres.

Editor-assistente
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin
Formado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, cobre mercados desde 2018. Ficou entre os 50 jornalistas +Admirados da Imprensa de Economia e Finanças das edições de 2022 e 2023. É editor-assistente do Money Times. Antes, atuou na assessoria de imprensa do Ministério Público do Trabalho e como repórter do portal Suno Notícias, da Suno Research.
Linkedin