ImóvelTimes

Fundo imobiliário é pego de surpresa com pedido de recuperação judicial de empresa que prometeu comprar ativo

30 nov 2023, 12:25 - atualizado em 01 dez 2023, 13:01
soja
Índice de fundos imobiliários opera com ganhos no último pregão de novembro e caminha para encerrar mês no azul (Imagem: REUTERS/Adriano Machado)

O fundo imobiliário BTG Pactual Terras Agrícolas (BTRA11) informou ao mercado que tomou conhecimento do pedido de recuperação judicial (RJ) do Grupo Bergamasco.

Em comunicado, o FII destaca que o Bergamasco é promitente comprador da Fazenda Colibri, em Nova Mutum – também no Mato Grosso, contando com garantia prestadas por pessoas físicas do Grupo. O imóvel tem mais de 400 hectares.

‘Sinal amarelo’ ligado para FIIs de lajes corporativas com aumento de vacância em SP

Segundo o BTRA11, o Grupo ajuizou o pedido na 4ª Vara Cível de Sinop, no Mato Grosso. Contudo, o fundo diz que não teve acesso aos autos do processo uma vez que eles estão em segredo de justiça.

Ao Money Times, uma fonte ligada ao Grupo disse que a solicitação de RJ foi requerida pela empresa Agropecuária Três Irmãos Bergamasco Ltda. As dívidas somam R$ 124 milhões.

Índice de fundos imobiliários (Ifix)

O índice de fundos imobiliários (IfixB3 tem alta firme no pregão desta quinta-feira (30), o último de novembro, após voltar a cair na véspera.

Com isso, por volta das 12h25 (de Brasília), o Ifix subia 0,38%, aos 3.176 pontos. Desta forma, o índice de FIIs caminha para fechar o mês com leve alta, depois do tombo de 2% em outubro, quando interrompeu a sequência de seis meses seguidos de ganhos.



Entre os mais de 100 fundos listados, o Valora RE III (VGIR11) tinha a maior alta no horário acima, de 2,7%, engatando o terceiro dia de valorização.

Por outro lado, o Rio Bravo Renda Varejo (RBVA11) registrava a maior queda, de 1,6%. O fundo informou ao mercado que vendeu um imóvel em São Paulo, por R$ 8 milhões – ou R$ 7,3 mil o metro quadrado.

Em comunicado, o RBVA11 diz que trata-se do ativo Planalto Paulista e atualmente, o imóvel está alugado para a Caixa Econômica Federal. Segundo o FII, a venda faz parte da “estratégia de reciclagem de portfólio”.

O fundo estima lucro de R$ 3,3 milhões, ou R$ 0,29 por cota. Além disso, o valor de venda foi 87,9% acima do custo de aquisição do imóvel e a operação teve taxa interno de retorno (TIR) de 17,5% ao ano.

*As cotações citadas são do site Investing.com

** Com Pasquale Augusto

***Matéria atualizada em 1º de dezembro, às 13h 

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin