Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Ibovespa termina no zero a zero semana com Fed e desconforto fiscal

18/09/2020 - 17:14
Mercados Ibovespa
O volume financeiro somava 24,9 bilhões de reais (Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

A bolsa paulista engatou a terceira semana consecutiva com sinal negativo, mesmo que discreto, nesta sexta-feira, quando o Ibovespa (IBOV) fechou novamente no patamar dos 98 mil pontos, reflexo da piora em Wall Street e desconforto com a cena fiscal no país.

Em meio a desavenças entre o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe econômica, investidores seguem melindrados com as perspectivas para as contas públicas, em um momento no que a economia ainda sofre com os efeitos da pandemia de Covid-19.

Dúvidas crescentes sobre a capacidade do Tesouro Nacional de refinanciar a dívida pública e o desconforto com o comportamento dos preços, particularmente os IGP-Ms, tem estressado os juros futuros longos e contaminado outros mercados.

No caso da bolsa, um dos principais suportes para a recuperação desde as mínimas de março é justamente o alívio na taxa estrutural de juros, não apenas a Selic, que está no piso histórico de 2% ao ano.

Do cenário externo, nem o tom ‘dovish’ do Federal Reserve conseguiu empolgar agentes financeiros, que voltaram a embolsar lucros em Wall Street, em meio a sinais mostrando estagnação da retomada da atividade econômica norte-americana.

Para Filipe Villegas, estrategista da Genial Investimentos, os eventos da semana, particularmente as reuniões do Fed e do Banco Central brasileiro, não trouxeram novidades relevantes.

“Eu vejo o investidor pouco motivado a fazer posições mais fortes no mercado pela falta de novidades e notícias, mas vejo que mesmo essa falta de notícias não foi suficiente para que o investidor saísse do mercado de maneira tão forte”, observou.

De acordo com Villegas, o que tem acontecido na bolsa é uma rotação setorial, com o investidor saindo de posições vencedoras no ano para papéis que estariam atrasados em busca de retornos mais atrativos. “Mas mais seletivo”, ressaltou.

Do ponto de vista gráfico, ele avaliou que o Ibovespa está bastante consolidado no intervalo de 98 mil a 100 mil pontos. “Mas se o Ibovespa perder esse patamar (de 98 mil pontos), pode sinalizar uma movimentação mais forte de queda”, ponderou.

Gestores e estrategistas também têm citado onda de ofertas de ações – IPOs e follow-ons – no mercado brasileiro em 2020 como mais uma componente que tem ajudado a deixar o Ibovespa oscilando em um intervalo razoavelmente curto.

Apenas neste ano, já ocorreram cerca de 30 ofertas (IPOs e follow ons), de acordo com dados disponíveis no site da B3, e há em torno de 50 ofertas iniciais engatilhadas, segundo registros na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

“Isso faz com que o mercado fique sobreofertado em termos de fluxo”, disse o gestor Guilherme Motta, da GAP Asset.

Nesta sexta-feira, o Ibovespa fechou em queda de 1,81%, a 98.289,71 pontos, com variação negativa de 0,08% na semana e de 1,09% mês. No ano, amarga declínio de 15,01%.

Maiores baixas do Ibovespa no dia

Maiores altas do Ibovespa no dia

O índice Small Caps recuou 1,94%, a 2.402,89 pontos, com alta de 0,71% na semana e baixa de 1,34% no mês. No acumulado de 2020, registra queda de 15,42%.

O volume negociado no pregão nesta sexta-feira somou 28 bilhões de reais.

Notícias de Ações em Destaque na Semana:

Pesquisa do BofA mostra sentimento ainda positivo para Ibovespa

B3 (B3SA3) reduz lote padrão de ETFs e BDRs

Enfoque-Bancos locais ganham preferência de candidatas a IPO

Conselho do Magazine Luiza (MGLU3) aprova desdobramento de ações

Raia Drogasil (RADL3) desdobra ações na proporção de 1 para 5 a partir de 21/09

IPO da Cury (CURY3) sai abaixo da faixa inicial sugerida, movimenta R$977,5 mi

IPO da Plano & Plano (PLPL3) sai abaixo da faixa inicial sugerida, movimenta R$690 mi

Santos Brasil (STBP3) anuncia oferta de ações e espera precificar em 24/09

Vitru Educação desaba cerca de 8% em estreia na Nasdaq

Destaques do Ibovespa do Acumulado do Mês:

Azul (AZUL4)  tem alta de 26,97%, com o setor aéreo ensaiando reação após fortes perdas com a pandemia de Covid-19, em meio a aumento de oferta de voos e resiliência dos negócios mesmo sem auxílio estatal.

A Azul disse que recebeu da BNDESPar e de um sindicato de bancos proposta de apoio financeiro que prevê uma oferta pública de um instrumento híbrido para captar no mínimo 2 bilhões de reais.

GOL (GOLL4)  sobe 12,35%.

GPA  mostra alta de 18,56%, com desempenho puxado principalmente pelo anúncio de estudos para a cisão de seu braço de atacarejo Assaí e posterior listagem da companhia na B3 e na Bolsa de Nova York.

A listagem do Assaí na bolsa, porém, não será acompanhada de IPO.

Ultrapar (UGPA3) avança 8,79% no mês, mantendo a trajetória positiva desde meados de agosto, após a assinatura entre sócios de um novo acordo de acionistas, com a entrada da gestora de recursos Pátria Investimentos.

IRB Brasil (IRBR3) tem perda de 21,18%, renovando mínimas históricas, após uma série de adversidades envolvendo irregularidades contábeis que levaram a uma forte revisão de resultados, além de perspectivas negativas para a companhia.

B2W (BTOW3) recua 15,97% e Via Varejo (VVAR3) cai 14,98%, numa forte correção após ganhos expressivos desde o começo do ano, que se apoiaram no expressivo crescimento do comércio online.

Magazine Luiza (MGLU3) perde 6,5%.

Veja o comportamento dos principais índices setoriais na B3 no acumulado do mês:

– Índice financeiro: -4,50%

– Índice de consumo: -1,20%

– Índice de Energia Elétrica: -1,80%

– Índice de materiais básicos: +3,89%

– Índice do setor industrial: +1,58%

– Índice imobiliário: -1,67%

– Índice de utilidade pública:

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por André Luiz - 18/09/2020 - 18:10