Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Lojas Americanas e B2W formam uma das melhores dobradinhas para enfrentar a crise

14/08/2020 - 17:58
Boa dupla: analistas destacaram a forte presença da B2W e da Lojas Americanas no e-commerce (Imagem: Renan Dantas/Equipe Money Times)

A B2W (BTOW3) e a sua controladora Lojas Americanas (BTOW3) são as empresas certas para enfrentar a crise e, de quebra, surfar no crescimento no e-commerce, mostra relatório do Credit Suisse enviado a clientes nesta sexta-feira (14).

De acordo com os analistas Victor Saragiotto e Pedro Pinto, as varejistas construíram uma empresa capaz de se adaptar a diferentes cenários.

“Seu negócio oferece uma ampla variedade, ajustável em questão de dias (por exemplo, o aumento das vendas de produtos essenciais desde o início da pandemia de Covid-19), que traz resiliência e defensividade para os negócios”, afirmaram.

A dupla também destaca o forte e-commerce da B2W, que cresceu cerca de 70% do último trimestre.

“Nós vemos a combinação das companhias, aprimorada pelas empresas adjacentes – Ame Digital, LET’S e IF, colocando o Universo Americanas como um dos melhores ecossistemas para navegar em tempos turbulentos de 2020”, destacaram.

Sem surpresa

Mesmo com os elogios, a dupla afirmou que o balanço da empresa, apresentado na última quinta-feira (14), não trouxe grandes novidades.

“Não ficamos surpresos com a companhia. As vendas de tijolo e argamassa caíram 23%. Mais de 30% das lojas (equivalente a 44% da área de vendas) foram fechadas no trimestre, o que naturalmente levou a uma redução de cerca de 26%. À luz de todas as restrições impostas pela pandemia Covid-19, isso soa bem em nossa opinião”, disseram.

Americanas
A XP destacou a resiliência das lojas físicas de rua, que mesmo com o distanciamento social, aumentou as vendas

Porém, eles ressaltaram a forte melhoria em capital de giro.

“A Lojas Americanas parece estar em boa posição para crescer organicamente ou por meio de fusões e aquisições (talvez diversificando ainda mais seus negócios)”, pontuaram.

Números polpudos

O balanço da B2W agradou a XP Investimentos. O analista Pedro Fagundes, que assina o relatório, destacou o avanço nos números do e-commerce, ponto forte da empresa, que ganhou ainda mais relevância durante a pandemia do coronavírus.

Fagundes também destacou a resiliência das lojas físicas de rua. Mesmo com o distanciamento social, que atingiu o seu pico entre os meses de abril e maio, as lojas que permaneceram abertas tiveram um crescimento no conceito mesmas lojas de 5,8% no ano (-68,4% para lojas de shopping), em parte impulsionado pelo ajuste de sortimento de produto nas lojas.

Aceleração do comércio digital

Para o terceiro trimestre, a empresa vê uma expansão mais acentuada do comércio eletrônico, apoiado em parte pela integração de plataformas de produtos de supermercados em seu ecossistema.

A dona dos sites Americanas.com e Submarino anunciou no começo do ano a compra Supermercado Now, especializada em venda online, e no segundo trimestre, a categoria passou a ser a maior em número de itens vendidos, pegando carona nas medidas de isolamento social e superando produtos tradicionais do varejo digital como celulares.

“No primeiro trimestre, a categoria mais vendida em unidades foi a de celulares, mas no segundo trimestre foi tomate, banana e limão”, disse o diretor de relações com investidores da B2W, Raoni Lapagesse, em teleconferência com analistas.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 14/08/2020 - 19:07