Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

O que são tokens não fungíveis (NFTs) e por que estão fazendo tanto sucesso?

02/10/2020 - 14:53
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Tokens não fungíveis (ou NFTs) chamaram a atenção global para cripto nas últimas semanas. Então o que é um NFT e por que, de repente, existe tanto interesse nessa categoria? David Freuden da Monsterplay investiga (Imagem: Medium/Terra Virtua)

Um token não fungível (NFT) é um tipo de token criptográfico que representa algo único.

Em outras palavras, não pode ser trocado, segundo sua especificação individual, da mesma forma que criptoativos como Monero são trocados. NFTs podem ser usados para criar escassez digital verificável.

São principalmente úteis em aplicações que requerem itens exclusivos e digitais, como arte digital, cards colecionáveis e itens internos de jogos.

NFTs e o mercado de obras de arte
da indústria cripto

NFTs não são novos. O lançamento do primeiro NFT foi em 2012, com a apresentação de Coloured Coins, ou Bitcoin 2.x, criado na rede Bitcoin, mas o exemplo mais comum de um NFT é o padrão ERC-721 que opera na rede Ethereum.

Existem outros padrões, como o ERC-1155, desenvolvido por Enjin como um novo padrão para definir tokens de videogames, que também operam na rede Ethereum.

Um NFT não é igual ao outro, tanto no valor como nas propriedades do próprio token. Cada token possui um hash digital — função que converte letras e números em uma frase criptográfica — que se distingue de todos os outros tokens de seu tipo.

Essa característica permite que NFTs atuem como uma prova de origem. Existe cada vez mais reconhecimento de que existe valor em provar a propriedade e autenticidade de propriedades intelectuais, como obras de arte e tokens dentro de jogos.

No mundo dos jogos e cards colecionáveis, NFTs também são chamados de “colecionáveis digitais” (“digital collectibles”).

Negociadores DeFi começaram a criar NFTs e os promoveram em suas redes (Imagem: Freepik)

NFTs no setor de finanças descentralizadas (DeFi)

Um dos motivos para a volta do interesse em NFTs é a incorporação de “yield farming” na estratégia de adesão da Rarible (RARI).

“Yield farming” é a busca pela melhor oportunidade de rendimentos possível em plataformas cripto.

Rarible é uma aplicação descentralizada (dapp) que permite que usuários criem artes originais como um NFT e as vendam em seu marketplace.

Usuários são recompensados/incentivados com o token de governança RARI, em que grande parte dos tokens é alocada a usuários quando vendem seus NFTs. Isso significa que negociadores DeFi começaram a criar NFTs e os promoveram em suas redes.

NFTs ganham sua própria categoria

Em setembro, CoinGecko acrescentou uma categoria específica de listagem para NFTs para apresentar uma curadoria de blockchains com foco em NFTs.

Não foi apenas uma resposta à febre atual, e sim uma estratégia maior que data em abril de 2019 quando CoinGecko havia anunciado seu interesse em NFTs.

Agora, NFTs estão sendo desenvolvidos em diversas indústrias. As primeiras aplicações se espalham pelas indústrias de jogos, artes e colecionáveis.

Porém, realidade virtual e aumentada, imóveis, venda de ingressos para eventos, licenciamento de marcas e tokenização de ativos do mundo real também demonstram grande promessa. Nike até enviou um pedido de patente de NFT em 2019.

gods unchained
Gods Unchained é um grande exemplo do sucesso de NFTs, pois conta com uma coleção de cards colecionáveis que são usados em partidas em blockchain (Imagem: Gods Unchained)

Estudos de caso para NFTs

Abaixo, listamos três projetos de NFTs das seguintes categorias: Artes & Colecionáveis, Jogos e Colecionáveis Animados em 3D que incorporam realidade virtual e realidade aumentada.

1. Rarible (RARI): colecionáveis digitais gerados por usuários e marketplace

Rarible permite que usuários criem, de forma fácil, um colecionável digital (sem precisar saber sobre programação) e o vendam em seu mercado.

RARI reúne algumas das tendências DeFi mais interessantes de 2020, em que colecionáveis digitais estão sendo combinados com “yield farming” e “liquidity mining” — em que usuários ganham o token de governança RARI por usarem a plataforma. Desde julho, o preço do token RARI disparou 1.700%.

Marketplace da Rarible.

Com foco em artes geradas por usuários, RARI permite a propriedade intelectual por meio da criação de novas artes com uma prova de origem fornecida pelo NFT. Também facilita a venda e os termos da venda em seu mercado e com custo próximo a zero.

Desde seu lançamento em novembro de 2019, 36.336 obras foram criadas na Rarible, com 26.574 vendas e um total de US$ 9,63 milhões foram transacionados.

No início de setembro, Rarible anunciou que levantou uma quantia não divulgada em uma rodada de financiamento “pré-seed” (para financiar suas primeiras operações) liderada pelo CoinFund.

Afirmaram que esse investimento ajudaria a desenvolver um mercado de NFTs governado pela comunidade e baseado em blockchain, bem como o token de governança RARI.

Esse token é melhor descrito como uma recompensa para genuínos compradores e vendedores que usam a plataforma: 75 mil RARI são distribuídos toda segunda-feira (desde 20 de julho de 2020) entre participantes ativos do mercado.

RARI foi criado para permitir que os criadores e colecionadores mais ativos da Rarible votem em atualizações da plataforma, recursos de solicitação e conteúdo curado e moderado.

Rarible é um mercado governado pela comunidade, que visa se tornar uma organização autônoma descentralizada (DAO). O token RARI é o primeiro passo nessa direção.

NFTs e o mercado de obras de arte da indústria cripto

Fãs da trilogia “O Poderoso Chefão” podem adquirir cards exclusivos e digitais na plataforma (Imagem: Terra Virtua)

2. Terra Virtua (TVK): ecossistema de NFTs animados em 2D e 3D

Terra Virtua é um ecossistema de colecionáveis digitais. Terra Virtua visa fornecer a seus usuários “uma experiência sensorial aprofundada” ao apresentar colecionáveis digitais em um mundo multiplataformas de realidade virtual e aumentada.

É um conceito parecido com a integração de realidade aumentada em jogos pelo Pokémon Go com o mundo real. Em seus primeiros 80 dias, Pokémon Go foi instalado por 550 milhões de pessoas!

Visão interna da galeria de arte da Terra Virtua.

Enquanto alguns colecionáveis digitais são relacionados a jogos, emprestando-os um valor intrínseco ao serem usados internamente, grande parte dos colecionáveis digitais são apenas imagens estáticas, o equivalente digital a uma figurinha.

Isso foi um dos maiores desafios que Terra Virtua escolheu enfrentar e é o motivo por trás do desenvolvimento das integrações de realidade virtual e aumentada.

Terra está lançando seu próprio conjunto de criaturas animadas em 3D chamadas “vFlects”, junto com os colecionáveis licenciados em 2D e 3D dos filmes “O Poderoso Chefão”, “Top Gun: Ases Indomáveis”, “Crepúsculo dos Deuses” e “Perdidos no Espaço”.

No futuro próximo, a empresa lançará colecionáveis licenciados dos filmes “Círculo de Fogo” e “Guerra Mundial Z”.

Além de oferecer um mercado para uma gama interativa de colecionáveis digitais exclusivos e licenciados, Terra Virtua está lançando um ecossistema completo onde colecionadores podem armazenar, apresentar, interagir e mostrar sua coleção por meio de um aplicativo, que permite que usuários fotografem ou filmem a si mesmos interagindo com seu colecionável em um ambiente do mundo real.

A empresa criou Terra Virtua Fancave, um ambiente pessoal, customizável e 3D onde o usuário pode mostrar seus colecionáveis. A versão de realidade virtual também está sendo desenvolvida, cujo lançamento está previsto para 2021.

A empresa também criou TerraDome: uma versão maior do Fancave, onde usuários irão armazenar e jogar com itens maiores, como o avião de combate F14 do filme “Top Gun” ou os robôs gigantes de “Círculo de Fogo”.

“Perdidos no Espaço”, remake lançado pela Netflix em 2018, é um dos colecionáveis licenciados na Terra Virtua (Imagem: Terra Virtua)

Gary Bracey, CEO da Terra Virtua, afirma:

A principal missão da Terra Virtua é levar NFTs ao mercado em massa.

A experiência de videogames da equipe principal nos dá um forte foco na experiência (UX) e interface de usuário (UI) e, ao tornarmos o processo ininterrupto e atrativo, desejamos popularizar o mundo dos colecionáveis digitais e interativos.

Aproximando-se do Dia das Bruxas no fim do mês, Terra Virtua está trabalhando em um evento que terá obras de arte por um grande artista de histórias em quadrinhos (HQs) e apresentará um evento de “Prévia VIP” antes do lançamento, bem como uma sessão de perguntas e respostas na plataforma Twitch com o artista.

Para 2021, planejam lançar colecionáveis licenciados e disponibilizar conteúdo gerado por usuários.

O ecossistema, a plataforma, a carteira, o marketplace e a moeda Enjin.

3. Enjin (ENJ): jogos

Em 2009, foi lançada a Enjin Network, uma plataforma comunitária de jogos que agora possui mais de 20 milhões de usuários. Em 2017, Enjin começou a criar um conjunto de produtos em blockchain que permitem que usuários gerenciem, explorem, distribuam e integrem criptoativos de forma fácil.

Em vez de usar um padrão ERC-721 para NFT, Witek Radomski, cofundador e diretor de tecnologia da Enjin, desenvolveu o padrão ERC-1155 que irá definir tokens de videogames no blockchain Ethereum.

O token Enjin também alimenta mais de um bilhão de criptoativos. O ERC-1155 não serve apenas para jogos; sua aplicação irá beneficiar inúmeras indústrias, desde a do entretenimento e de finanças ao design industrial, inteligência artificial, imóveis e mais.

O conceito principal por trás do ERC-1155 é que um único contrato autônomo pode governar um número infinito de tokens. Um contrato ERC-1155 feito para um jogo poderia conter uma ampla variedade de itens, desde armas e armaduras a poções de saúde, feitiços, superpoderes etc.

As ferramentas da Enjin permitem que desenvolvedores e estúdios da Enjin usem criptoativos tokenizados como parte de sua aquisição, retenção, seu engajamento e estratégias de monetização.

Seja no ramo imobiliário, do entretenimento ou de jogos, NFTs abrem possibilidades infinitas para a capitalização no mercado cripto (Imagem: Freepik/upklyak)

O futuro é dos NFTs

Um criptoativo pode ser único e valioso? Os exemplos e outros NFTs como CryptoKitties sugerem que sim.

Além disso, esses projetos se destacam porque seus usuários não têm de interagir com a tecnologia oculta do blockchain, mas ainda assim podem se beneficiar bastante da tecnologia, tornando tais projetos prontos para a adesão convencional.

No futuro, NFTs irão abrir a porta para a digitização de todos os direitos de propriedade intelectual e tokenização de todos os ativos.

Gatinhos virtuais e a escassez digital

 

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 16/10/2020 - 12:04