Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Pequenas ações voltam a aparecer na Bolsa e indicam retomada da disposição a riscos

24/11/2020 - 13:56
Ibovespa Ações Mercados B3SA3
Quem tirou a quarentena para estudar temas como economia e contabilidade EAD percebeu que também há grandes chances de lucro com pequenas empresas (Imagem: B3/Linkedin)

O ano de 2020 está sendo marcado por desequilíbrio econômico nos mais diversos setores, o que fez com que investidores preferissem apostas mais conservadoras.

No entanto, com a flexibilização da quarentena em todo o mundo e o reaquecimento da economia, as empresas menores, com captações de até R$ 500 milhões, que representam maiores riscos, voltaram a aparecer na Bolsa.

É o caso da produtora de sementes Boa Safra, que buscará esse valor para ampliar seus negócios no mercado de soja. À procura de um pouco menos, a Uni.Co, dona de outras marcas de tamanho médio, como Puket e Imaginarium, também aparecerá na Bolsa.

De acordo com as informações de mercado, as ações devem ir de R$ 200 milhões a R$ 400 milhões em sua oferta inicial. Essas e outras ofertas indicam a melhora na saúde financeira, que estimula os investimentos de maior risco.

Por que investir em pequenas empresas é mais arriscado?

Por ainda não estarem completamente consolidadas no mercado e enfrentarem muita competição, as probabilidades dos negócios menores não conseguirem superar crises econômicas ou serem vencidos por outras companhias do mesmo setor são grandes.

Além disso, elas não têm a mesma vantagem das grandes marcas, que sempre dispõem de milhares de investidores comprando e vendendo suas ações a todo momento. As pequenas não são tão visadas, portanto, qualquer pequena notícia negativa sobre a empresa pode fazer os compradores desistirem.

Quais as vantagens de investir em pequenas empresas?

Apesar dos riscos, quem tirou a quarentena para estudar temas como economia e contabilidade EAD percebeu que também há grandes chances de lucro com pequenas empresas e estava ansioso para o reaparecimento delas na Bolsa de Valores.

Isso porque as empresas já consolidadas no mercado, como, por exemplo, Ambev (ABEV3), Petrobras (PETR3;PETR4) e Bradesco (BBDC3), apesar de oferecerem menos riscos de perda de dinheiro, não têm perspectiva de crescimentos imensos em pouco tempo.

No caso dos empreendimentos que ainda estão começando, o avanço repentino é muito comum. Pequenas empresas conseguem dobrar de tamanho em um ano ou menos – o que não acontece com organizações que já são grandes demais.

O exemplo da Ambev ajuda a compreender melhor essa relação. Ela já é responsável por 60% das vendas de cervejas no Brasil. Então, para dobrar de tamanho, precisaria dominar todas as concorrentes do país inteiro e ainda fazer os brasileiros aumentarem o seu consumo de cerveja em 80% – cenário praticamente impossível.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Renan Dantas - 24/11/2020 - 13:56

Cotações Crypto
Pela Web