Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Pré-mercado: A Super Quarta chegou

16/06/2021 - 8:48
Indo de encontro ao perigo: a Super Quarta chegou / Capitão América: Guerra Civil (2016)

Bom dia, pessoal!

O inverno brasileiro, marcado para começar no dia 21 de junho, chegou mais cedo.

As tensões envolvendo Brasília e a política monetária pressionarão os mercados no dia de hoje.

Em uma quarta-feira (16) com naturalmente mais volume e volatilidade devido ao vencimento dos contratos futuros do índice, que deverá movimentar o Ibovespa, investidores locais prestam atenção na decisão de política monetária no Brasil e nos EUA.

Os futuros de ações dos EUA se mantêm estáveis nesta manhã, após uma terça-feira (15) de correção em movimento de cautela para o evento de hoje. A ver…

Quem vai pagar para ver?

Em meio à situação preocupante dos reservatórios de água no Brasil, o governo federal se prepara para enfrentar uma crise hídrica que poderá ter desdobramentos em uma crise energética também.

Em Brasília, parece haver falta de acordo político para a votação da MP da Eletrobras, pautada para esta semana (talvez hoje) no Senado.

Ainda assim, o foco desta quarta-feira é a decisão de política monetária aqui no Brasil, a ser divulgada pelo Copom às 18h30, depois do fechamento do mercado.

Em grande parte o movimento a ser feito já está contratado, em uma elevação de mais 75 pontos-base, levando a Selic para 4,25% — há uma ala no mercado que pondera a possibilidade de um tom ainda mais hawkish (contracionista), levando a Selic a 4,5%, mas é minoria.

O jogo de verdade reside no comunicado que acompanha a decisão, que poderá perder o trecho que trata do “ajuste parcial” dos juros, presente desde o início do processo de normalização da taxa.

A depender do movimento da autoridade monetária, o mercado poderá reagir de diferentes formas.

De maneira geral, um ajuste além do contratado ou um tom mais hawkish do que temos visto poderá tranquilizar os investidores sobre a possibilidade de uma inflação com contornos mais estruturais no futuro.

No entanto, poderia prejudicar a retomada da economia nacional no segundo semestre.

O foco é a inflação

O resultado da reunião do Comitê Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla em inglês) virá após o fechamento dos mercados europeus, acompanhado ainda de uma entrevista coletiva com o presidente Jerome Powell, às 15 horas no horário de Brasília.

Espera-se que o banco central mantenha sua política de afrouxamento monetário inalterada e continue seu programa de compra de títulos, mesmo em meio ao aumento da inflação.

Apesar da elevação do patamar de preços, o Federal Reserve (Fed) deve sinalizar que não vai mudar a política de taxas de juros tão cedo, pelo menos não até o final de 2022.

O cenário é desafiador: alta de 5% do índice de preços ao consumidor em relação ao ano passado, com preços ao produtor subindo 6,6%. Espera-se que a declaração do Fed repita a frase de que a alta da inflação reflete em grande parte fatores transitórios.

Outro fato que chama a atenção é que o Fed ainda está comprando US$ 80 bilhões em títulos do Tesouro e US$ 40 bilhões em títulos privados a cada mês (US$ 120 bilhões no total), a fim de apoiar a economia.

Espera-se que as autoridades discutam a desaceleração ou redução das compras de ativos, mas apenas de forma preliminar, sem traçar nenhum plano.

Um desenho mais assertivo sobre o tema deverá vir somente na Conferência de Jackson Hole, em agosto.

A normalização do crescimento chinês

Os dados econômicos da China mostraram uma normalização do crescimento em maio, com a produção industrial, vendas no varejo e o investimento em ativos fixos abaixo do esperado, em um processo de desaceleração em relação ao ritmo observado em períodos do ano anterior.

Tal arrefecimento ocorre à medida que o efeito base favorável desaparece. Todas as economias passarão por isso em um segundo momento no pós-pandemia.

A produção industrial cresceu 8,8% em maio em relação ao ano anterior, desacelerando frente ao ritmo de 9,8% de abril, enquanto as vendas no varejo, um indicador chave do consumo da China, aumentaram 12,4% no ano em comparação com o crescimento de 17,7% em abril.

Por fim, os investimentos em ativos fixos aumentaram 15,4% no período entre janeiro e maio, abaixo do ritmo de 19,9% registrado no primeiro quadrimestre. A desaceleração é notável.

De todo modo, a taxa de crescimento mais lenta foi amplamente antecipada pelo mercado, uma vez que a economia chinesa começou a se recuperar da pandemia de coronavírus com mais força antes do Ocidente.

Anote aí!

Nesta Super Quarta, os eventos do dia são as reuniões de política monetária no Brasil e nos EUA, não há muito como fugir.

Para além deles, porém, poderemos contar com alguns desdobramentos também interessantes.

Aqui no Brasil, atenção para a tentativa de votação da MP da Eletrobras, que tem até dia 22 para ser votada, e para a primeira reunião da comissão especial sobre a Reforma Administrativa.

Fluxo cambial semanal e IPC-S da segunda quadrissemana de junho estão na agenda de indicadores econômicos.

Lá fora, o encontro de Biden com Putin estremece a cobertura geopolítica, mas não deve fazer preço sobre os mercados.

Nos EUA, construção de moradias e  estoques de petróleo devem trazer alguma volatilidade adicional.

Muda o que na minha vida?

Depois do G7 no fim de semana, o mundo tem acompanhado de perto os desdobramentos do encontro da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e dos demais eventos de Biden.

Em suas tratativas, o presidente americano tem pressionado os líderes mundiais a tomarem medidas concretas para conter a influência crescente da China e colocar um grande foco no caminho para a descarbonização.

Qual o resultado? Um projeto de infraestrutura global chamado “Build Back Better for the World” (ou, em português, “construir de volta melhor para o mundo”), em uma adaptação de seu programa de campanha de 2020 “Build Back Better”.

A ideia seria a de criar um plano alternativo e de “maior qualidade” contrário à Iniciativa “Belt and Road” da China, um projeto gigantesco de infraestrutura que visa construir uma Nova Rota da Seda e envolve mais de 60 países na Ásia, África, Oceania, Oriente Médio e Europa.

O novo plano, apelidado por alguns de “Green Belt and Road” ou “Green Marshall Plan” (adaptações do plano com um cunho sustentável — parques eólicos, ferrovias e outros projetos de baixo carbono), seria financiado por bancos multilaterais de desenvolvimento, como o FMI e o Banco Mundial, bem como o setor privado.

Tanto o G7 como a OTAN parecem dedicados a abrir uma frente ampla contrária ao desenvolvimento chinês, usando como retórica uma visão de um mundo mais limpo e mais verde.

Adicionalmente, aos poucos, os líderes prometeram eliminar gradualmente os carros a gás e a diesel, além de fechar as usinas de carvão que não aplicarem tecnologia de captura de emissões o mais rápido possível. Prometeram proteger 30% da terra e dos oceanos do planeta até 2030.

Em uma nota , a OTAN, que inclui muitas nações do G7, indicou que tornaria suas forças armadas neutras em carbono até 2050.

O caminho para os próximos anos em uma tendência mais verde nos parece claro. Foi justamente por isso que desenvolvemos inúmeros produtos em nossas plataformas que visam capturar esse desenvolvimento.

Para quem ainda não conferiu, vale dar uma olhada no Vitreo Carbono, Vitreo FoF ESG Carbono Neutro e o Franklin W-ESG.

Fique de olho!

A Promo Carteira Universa termina hoje, nas próximas horas.

Portanto, se você pretende receber a sua assinatura Premium da Empiricus anual ou mesmo vitalícia, conforme condições abaixo, a hora para investir é agora:

Investindo R$10 mil no fundo Carteira Universa, da Vitreo, em um aporte único, você vai receber o acesso à uma assinatura Premium da Empiricus por 1 ano, por pessoa.

Para garantir o acesso vitalício à uma série Premium da casa, por pessoa, é preciso realizar um aporte único de R$100 mil no fundo Carteira Universa.

Atualmente, um ano de assinatura para as séries dessa categoria custa, em média, R$3.240,00.

A condição ganha-ganha mais do que interessante para você, que terá acesso a todo conhecimento e orientação da equipe de research da sua série favorita após investir o seu patrimônio numa tese de investimento supercompleta, que já entregou quase 17% de performance para os seus cotistas.

Resultado bruto de impostos que, por envolver riscos, pode variar no futuro – para mais ou para menos, naturalmente.

Seja rápido para conseguir participar da Promo Carteira Universa.

Atenção:

  • Não deixe de ler o regulamento do fundo e seus fatores de risco antes de investir.
  • Antes de investir, verifique se o apetite a risco do fundo está em linha com o seu perfil de investimento.
  • Retornos passados não garantem retornos futuros.
  • Não há nenhuma garantia de retorno.
  • As rentabilidades apresentadas nas comunicações da Vitreo não são líquidas de impostos.
  • A aplicação em fundos de investimento não conta com a garantia do FGC, de qualquer mecanismo de seguros ou dos prestadores de serviço do fundo.

Um abraço,

Jojo Wachsmann

Gostou desta notícia? Baixe o nosso app para ler, em apenas um clique, esta e mais de 150 matérias diárias.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Lucas Eurico Simões - 16/06/2021 - 8:55

Pela Web