Precatórios

Precatórios com Lula ou Bolsonaro? Saiba em que pé está o mercado de ativos judiciais

21 out 2022, 14:17 - atualizado em 24 out 2022, 12:15
Precatórios
Precatórios com Lula ou Bolsonaro: mercado de ativos judiciais avança e deve acrescentar novos usos às dívidas a receber do poder público. (Imagem: Unsplash/Tingey Injury Law Firm)

O mercado de precatórios é uma classe de investimentos que está cada vez mais acessível aos investidores, inclusive pessoas físicas.

Em meio à disputa entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições 2022, a indústria de ativos judiciais tem avançado para  desenterrar valor e fazer a economia brasileira girar.

Para o advogado Eduardo Gouvêa, sócio da Droom (ex-Capital Rights) e presidente da Comissão de Precatórios da OAB-RJ, houve avanços em termos de regulamentação do uso de precatórios no Brasil.

“Os precatórios, dívidas que pessoas e empresas têm o direto a receber do poder público, poderão ter novos usos aos seus detentores. Exemplos são a utilização dos precatórios em projetos de infraestrutura, compensação fiscal, outorgas, concessões e compra de imóveis”, explica.

Gouvêa, que também já presidiu a Comissão de Precatórios da OAB Nacional no triênio 2019-22, afirma que o cenário das novas legislações envolvendo os precatórios já se encontra avançado na atual equipe econômica.

“No caso de um mandato Lula, as conversas com a nova equipe econômica teriam de ser recomeçadas para que os avanços de utilização dos ativos judiciais prossigam”, comenta.

Mercado de precatórios

O mercado de  precatórios permite que ativos judicias sejam negociados entre detentores de dívidas a receber do poder público (União, Estados e Municípios) e investidores interessados.

De um lado, o detentor tem a possibilidade de antecipar o recebimento da dívida e, pelo outro, o investidor encontra taxas de juros mais atrativas a receber do que na renda fixa tradicional.

O prazo para receber esse dinheiro pode se estender devido a decisões políticas. Por exemplo, o governo pode suspender o pagamento para aliviar o caixa e lidar com crises (foi o que aconteceu na pandemia).

Por isso, muitas pessoas resolvem vender seus precatórios por um preço menor (com deságio). Para elas, vale mais a pena receber menos dinheiro, porém de forma mais rápida, do que esperar o governo pagar. 

Segundo o advogado, os precatórios são uma opção para diversificar a carteira de investimentos, com segurança garantida pela Constituição Federal e por decisão definitiva do Judiciário.

Os títulos judiciais protegem contra a inflação e garantem um ganho real, permitindo que o patrimônio do investidor cresça ao longo do tempo.

Prêmio Os + Admirados da Imprensa!

Money Times é finalista em duas categorias do Prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças. O site concorre na categoria Canais Digitais e com o jornalista Renan Dantas na categoria Jornalistas Mais Admirados. Deixe seu voto aqui!

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Repórter
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site
Repórter de renda fixa do Money Times e Editor de agronegócio do Agro Times desde 2019. Antes foi Apurador de notícias e Pauteiro na Rede TV! Formado em Jornalismo pela Universidade Paulista (UNIP) e em English for Journalism pela University of Pennsylvania. Motivado por novos desafios e notícias que gerem valor para todos.
Linkedin Instagram Site