Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

Radar do mercado: 7 fatores que derrubaram o Ibovespa hoje, segundo a Ágora e a Terra Investimentos

Márcio Juliboni
22/11/2021 - 19:55
Jerome Powell
Sem moleza: Powell mostra que não vai tolerar a inflação nos EUA, e mercado entende o recado (Imagem: Kevin Dietsch/Pool via REUTERS)

A virada do Ibovespa, no meio da tarde, surpreendeu parte dos investidores, já que o principal índice da Bolsa chegou a saltar 1,2% nas primeiras horas de pregão. O humor azedou, tanto com fatores internos, quanto externos. O resultado foi uma queda de 0,89% no fechamento, aos 102.122 pontos.

Veja o que pesou na Bolsa brasileira hoje, segundo a Ágora Investimentos e a Terra Investimentos, e se prepare para amanhã.

1. Recado duro do Fed

O mercado ficou apreensivo com o primeiro discurso de Jerome Powell, após a decisão do presidente Joe Biden de reconduzi-lo para mais um mandato à frente do Federal Reserve. Nesta tarde, Powell afirmou que o Fed está numa posição “forte” para “atacar” a inflação americana.

2. Alta dos Treasuries

A posição mais firme de Powell levou à alta dos juros dos títulos públicos dos EUA, os famosos Treasuries. Como se sabe, a fuga dos investidores para o porto seguro da dívida americana pesa sobre o mercado de renda fixa.

3. Freada das Bolsas americanas

O resultado desse voo foi a perda de fôlego das bolsas americanas ao longo do dia. A Dow Jones fechou praticamente no zero a zero, com uma alta residual de 0,05%. Já o índice S&P e a Nasdaq caíram 0,32% e 1,26% respectivamente.

4. Covid-19 na Europa

As principais bolsas europeias sofreram com o avanço de uma nova onda de casos de coronavírus. Alguns países já anunciaram o retorno das medidas de isolamento social. Por isso, os índices fecharam sem direção definida no Velho Mundo.

5. Impacto no Ibovespa

A percepção de que o Federal Reserve se prepara para retirar as medidas de estímulo econômico para conter a inflação nos EUA, aliada à alta da curva de juros por lá, e o recrudescimento da pandemia na Europa pressionaram o Ibovespa nas últimas horas de pregão.

6. Brasília, sempre ela…

Esse caldo de preocupações foi engrossado pelas incertezas sobre as contas públicas, já que a PEC dos Precatórios segue em debate no Senado.

7. Dragão fortalecido

O descontrole das contas públicas, somado à falta de alguns produtos, alimenta as expectativas de inflação, que já se aproxima do teto previsto para 2022. O resultado é a alta das projeções da Selic, expressa no Boletim Focus de hoje – outro fator que pesou na Bolsa.

Última atualização por Márcio Juliboni - 22/11/2021 - 20:07

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web