Terra (LUNA): O que o investidor precisa fazer diante da crise cripto, segundo o UBS

Kaype Abreu
17/05/2022 - 14:36
criptomoedas
Para o UBS, as criptomoedas têm sido ineficientes como elemento de diversificação de portfólio e de proteção contra a inflação.  (Imagem: Shutterstock)

Em um momento de crise da Terra (LUNA) e de alta volatilidade dos criptoativos por conta da inflação, o UBS emitiu um relatório recomendando que investidores que almejam ganhos a longo prazo considerem duas formas alternativas de exposição a esse mercado.

O banco fala em buscar oportunidades de exposição à tecnologia financeira via plataformas e empresas que lidam com esse negócio, ou ainda por meio de investimentos de mercado privado em startups em estágio inicial.

O investimento em ativos do universo cripto, como a Terra (LUNA), é uma forma de ter exposição a algumas das tecnologias e modelos de negócio mais inovadores do mundo. Daí a recomendação do UBS, de buscar empresas que lidam com essas tecnologias.

Para o UBS, o dinheiro digital baseado em blockchain começou a mostrar sua utilidade.

“Esperamos que mais entidades não bancárias, credores comerciais e instituições financeiras aproveitem essas novas ferramentas para melhorar sua eficiência e oferta de serviços”, diz trecho do relatório assinado por Mark Haefele e equipe.

Segundo a Cointelegraph Research, investimentos de capital de risco em blockchain e fintech atingiram US$ 33 bilhões no ano fiscal de 2021 e US$ 14,6 bilhões somente no primeiro trimestre deste ano.

Para o UBS, os recursos devem ajudar a garantir que os negócios tenham capital para enfrentar um potencial “inverno cripto”.

Para além das criptomoedas e da Terra

A crise envolvendo a Terra (LUNA) aumentou o temor do mercado sobre criptoativos de menor capitalização e ainda em estágio inicial de desenvolvimento.

O cenário deve seguir sendo de alta volatilidade, à medida que os bancos centrais aumentem as taxas de juros, avalia o UBS.

“Os investidores devem evitar colocar dinheiro nesses ativos altamente especulativos”, afirma o banco.

Para o UBS, as criptomoedas têm sido ineficientes como elemento de diversificação de portfólio e de proteção contra a inflação, por conta da correlação apresentada recentemente com ativos tradicionais.

A instituição cita como hedges de portfólio ações do setor de saúde e commodities. Para assumir mais risco, o UBS recomenda o setor de energia, ou outros investimentos alternativos.

Receba as newsletters do Money Times!

Cadastre-se nas nossas newsletters e esteja sempre bem informado com as notícias que enriquecem seu dia! O Money Times traz 8 curadorias que abrangem os principais temas do mercado. Faça agora seu cadastro e receba as informações diretamente no seu e-mail. É de graça!

Disclaimer

Money Times publica matérias informativas, de caráter jornalístico. Essa publicação não constitui uma recomendação de investimento.

Última atualização por Renan Dantas - 17/05/2022 - 14:36

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado cripto?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto