Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

A aposta de US$ 116 bilhões da Samsung rumo à supremacia em chips

23/12/2019 - 12:47
Samsung buscará supremacia em setor de chips (Imagem: Unsplash/@eirikso)

Gigantes de tecnologia apostam cada vez mais no design de seus próprios semicondutores para otimizar diversas ferramentas, como tarefas de inteligência artificial, desempenho de servidores e duração de baterias móveis.

O Google conta com a Tensor Processing Unit, a Apple, com a divisão A13 Bionic, e a Amazon.com opera a Graviton2. O que esses titãs não possuem, no entanto, é uma fábrica para desenvolver os chips dos sonhos.

Já a Samsung Electronics aposta em um plano de US$ 116 bilhões de 10 anos para seu negócio. A empresa sul-coreana investe pesado no próximo passo para a miniaturização de semicondutores, um processo conhecido como litografia com luz ultravioleta extrema (EUV, na sigla em inglês).

É, de longe, a modernização da produção mais cara já planejada pela Samsung, uma tentativa arriscada de ir além do negócio estabelecido de produzir silício comoditizado e de ultrapassar os líderes atuais na indústria de fundição e chips lógicos, que movimenta US$ 250 bilhões.

Chegou a nova newsletter Comprar ou Vender

As melhores dicas de investimentos, todos os dias, em seu e-mail!

Novo mercado

“Um novo mercado está se abrindo”, disse Yoon Jong Shik, vice-presidente executivo da divisão de fundição da Samsung, durante fórum realizado recentemente em Seul.

“Empresas como Amazon, Google e Alibaba, que não têm experiência em design de silício, buscam fabricar chips com suas próprias ideias conceituais, a fim de impulsionar os serviços.

Acho que isso traria um avanço significativo para nosso negócio de chips que não são de memória.”

Empresa sul-coreana enfrenta concorrência de americanas e chinesas (Imagem: Samsung)

A Samsung é um relativo azarão neste crescente mercado. O negócio de fundição – como é chamada a fabricação de chips para empresas como Google e Qualcomm – é dominado pela Taiwan Semiconductor Manufacturing Co., que controla mais da metade do mercado, segundo dados da TrendForce, que mostram a Samsung com participação de 18%.

A TSMC também assumiu a fabricação de processadores da série A da Apple, antes produzidos pela Samsung, que era o parceiro de produção original.

A Samsung planeja gastar cerca de US$ 10 bilhões por ano em equipamentos, pesquisa e desenvolvimento na próxima década, mas a TSMC é ainda mais ambiciosa, com investimentos de cerca de US$ 14 bilhões neste ano e no próximo.

Arte composta

“Não é apenas uma questão de vontade”, disse CW Chung, chefe de semitecnologia pan-asiática da Nomura Financial Investment, ao avaliar das chances de sucesso da Samsung.

“A fabricação de chips é como uma arte composta. A menos que haja suporte suficiente para infraestruturas sociais gerais, seria um objetivo dificilmente alcançável.”

Analistas projetam complexidade na concretização da estratégia (Imagem: Pixabay)

“A complexidade das linhas traçadas pelo equipamento EUV é semelhante à construção de uma nave espacial”, disse ES Jung, presidente e gerente-geral do negócio de fundição da Samsung, ao inaugurar uma fábrica de EUV de US$ 17 bilhões em Hwaseong no início deste ano. A fábrica deve iniciar a produção em larga escala em fevereiro de 2020.

Uma única máquina EUV da ASML Holding custa US$ 172 milhões, e a Samsung monta dezenas delas em Hwaseong, em um esforço para ser a primeira com a tecnologia.

Espera-se que a TSMC e a Samsung atinjam processos de produção de 5 nanômetros com EUV em 2020, o que significa que serão as únicas concorrentes em um mercado que deve se expandir.

E, uma vez que se expandam e alcancem economias de escala, o tempo total do ciclo do processo provavelmente diminuirá em 20%, enquanto a capacidade de fundição aumentará em 25%, de acordo com relatório de pesquisa do Citigroup.

Última atualização por Valter Outeiro da Silveira - 23/12/2019 - 12:49