Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Análise de preço do XRP (parte 1): o que é a Ripple?

28/07/2020 - 11:10
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Aspectos técnicos para o par XRP/USD são positivos, conforme o preço à vista ultrapassou tanto a média móvel exponencial de 200 dias como a Nuvem diária de Ichimoku. Uma Cruz Dourada, que havia acontecido pela última vez em maio de 2019, pode aparecer na próxima semana (Imagem: Facebook/Ripple)

Ripple (XRP) é um protocolo de pagamentos e token de rede que deseja competir com o protocolo bancário SWIFT. O criptoativo está 94% abaixo de sua alta recorde estabelecida em janeiro de 2018.

A capitalização de mercado do XRP está em US$ 9,88 bilhões com base em um fornecimento em circulação de 44,1 bilhões de XRP, em que US$ 680 milhões foram negociados nas últimas 24 horas.

XRP foi criado em novembro de 2012 por três fundadores: Arthur Britto, Chris Larsen e Jed McCaleb, em colaboração com Ryan Fugger, que começou a desenvolver um protocolo de pagamento em 2004 chamado RipplePay.

O projeto, que era de código fechado na época, foi incorporado sob um novo nome, NewCoin, em setembro de 2012. NewCoin foi renomeado para OpenCoin em outubro de 2012 e, em seguida, para Ripple Labs em setembro de 2013.

McCaleb se demitiu em maio de 2013, saindo do projeto oficialmente em julho de 2013 e foi criar Stellar (XLM) em 2014. McCaleb havia fundado a corretora Mt.Gox, que foi vendida para Mark Karpelès em março de 2011.

McCaleb recebeu 5,3 bilhões de XRP quando saiu da Ripple e ele só pode vender quantias restritas, com base em um acordo de 2016 que estabelece limites anuais. Em 7 de setembro de 2019, ele recebeu mais 100 milhões de XRP.

Em fevereiro, McCaleb vendeu mais de um bilhão de XRP e possui 4,7 bilhões de XRP, o que sugere que uma pressão contínua de venda de XRP nos próximos meses.

Desde 2015, Brad Garlinghouse é CEO da Ripple Labs e David Schwartz é CTO desde julho de 2018. Schwartz entrou para a Ripple Labs em 2011 como criptógrafo-chefe. Em 2019, houve diversas novas mudanças na Ripple Labs:

– em janeiro, Stuart Alderoty, que havia trabalho no CIT Bank, HSBC e American Express, entrou para a Ripple como conselheiro geral;

– em fevereiro, Cory Johnson, anteriormente conhecido como estrategista-chefe de mercado, foi removido do site da Ripple, em que a empresa afirmou que “devido a mudanças nas condições de mercado, decidimos eliminar a vaga”;

– em maio, Breanne Madigan, ex-executiva do Goldman Sachs e ex-chefe de vendas institucionais e estratégia na Blockchain.com, se tornou chefe dos mercados globais institucionais da Ripple;

– em julho, Catherine Coley, ex-chefe da Ripple Institutional Liquidity, foi anunciada como CEO da BAM Trading Services, operadora da corretora cripto americana da Binance;

– em setembro, Ron Hammond, que também ajudou a criar a Lei de Taxonomia de Tokens, foi anunciado como o novo gerente de relações governamentais;

– em outubro, Craig Phillips, que anteriormente teve cargos de liderança no Morgan Stanley e na BlackRock, entrou para o comitê de diretores da Ripple. Recentemente, Phillips também serviu como conselheiro de Steven Mnuchin, Secretário do Tesouro dos Estados Unidos;

– no início deste ano, Miguel Vias, chefe dos mercados de XRP, saiu da Ripple, segundo sua conta no LinkedIn.

Inicialmente, 100 bilhões de XRP foram emitidos para os fundadores, em que 80% desse fornecimento é retido pela Ripple Labs.

Em maio de 2015, a Rede de Combate a Crimes Financeiros (FinCEN) decidiu que Ripple Labs era a “administradora” dos tokens XRP e exigiu que a empresa pagasse uma multa de US$ 700 mil por não ter se registrado como um negócio de serviços monetários.

Em janeiro, Garlinghouse anunciou que uma oferta inicial de produto (IPO) da Ripple poderá acontecer ainda este ano.

O problema para a Ripple continua sendo o fato de tokens XRP representarem ou não um valor mobiliário não registrado. Inicialmente, a Ripple criou, garantiu, possui grande parte e continua a controlar grande fluxo dos tokens.

Ripple afirma que a rede é descentralizada, o token não representa ações da Ripple e que a rede continuará existindo sem a Ripple Labs.

Diversos outros casos judiciais pendentes, bem como comentários da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC) irão esclarecer qualquer incerteza regulatória sobre o ativo.

Em um pedido de anular um caso ativo, a equipe jurídica da Ripple argumentou que a requerente não adquiriu tokens durante a oferta inicial e também não adquiriu nenhum dos acusados.

O pedido afirmava: “adquirir XRP não é ‘investir’ na Ripple; não existe um empreendimento comum entre a Ripple e os compradores de XRP; não houve promessa de que a Ripple daria lucros para detentores de XRP; e o XRP Ledger é descentralizado”.

Em janeiro, Ripple tentou novamente realizar um pedido para anular uma ação coletiva no Distrito Norte da Califórnia. Advogados da Ripple afirmam que a acusação excedeu o prazo de três anos para envio de um processo segundo o estatuto da Lei de Valores Mobiliários.

Esse pedido de anulação foi negado em 26 de fevereiro. O juiz também determinou que a Ripple não violou a lei estatal da Califórnia. Assim, acusações de falsa propaganda e responsabilidade pessoal contra Garlinghouse foram encerradas.

Em dezembro de 2017, a Ripple anunciou um sistema programático de contratos de depósito para 55 bilhões de XRP retidos pela empresa na época.

Um bilhão de XRP estão bloqueados em contratos de depósitos e postos à venda todo mês. Qualquer XRP não vendido volta para o contrato de depósito no fim do mês.

O relatório do terceiro trimestre de 2019 da Ripple revelou que 700 milhões dos três bilhões de XRP disponibilizados nos contratos durante o trimestre foram adquiridos no mercado aberto, menos do que os 900 milhões vendidos no trimestre anterior.

O relatório do segundo trimestre revelou que a Ripple iria “reduzir significativamente vendas futuras (programáticas) de XRP”, que foram menos de 10% no trimestre anterior.

Em dezembro, a Ripple também anunciou uma rodada de financiamento “series C” (para ajudar no desenvolvimento de novos produtos) liderada pela SBI Holdings e Route 66 Ventures.

O relatório do quarto trimestre de 2019 revelou que não houve vendas programáticas no trimestre. No início deste ano, Garlinghouse revelou que “não iremos obter rentabilidade ou fluxo positivo de caixa [sem vender XRP]”.

(Imagem: Relatório do primeiro trimestre de 2020 da Ripple)

As cem maiores contas de XRP, fora os 49 bilhões de XRP bloqueados, possuem 69,31% do fornecimento total em circulação. Ripple possui mais 6,1 bilhões de XRP, deixando 44,9 bilhões XRP em circulação.

(Imagem: Ripple)

Para obter consenso, a rede XRP usa o Algoritmo de Consenso do Protocolo Ripple, que agrega sub-redes confiáveis coletivamente de nós e validadores.

Atualmente, existem 919 nós públicos, em que mais de 80% executam o software mais recente, a versão 1.5.0. A rede também possui 117 validadores ativos, em que 71% não são verificados e 15% são controlados pela Ripple.

Em novembro de 2018, um servidor da Ripple exigia cerca de 12 GB de armazenamento de dados diariamente e 8,4 TB para armazenar todo o XRP Ledger. Porém, um nó completo não precisa participar da rede e nós podem aparar o registro para liberar espaço em disco.

Porcentagem de nós vs. versões do software (Imagem: XRP Charts)

Parte 2 / Parte 3

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 11/09/2020 - 9:09