Criptomoedas podem comprometer o dólar e desestabilizar as nações, afirma Hillary Clinton

19/11/2021 - 12:21
Hillary Clinton
Hillary Clinton disse que as criptomoedas podem afetar o papel das moedas fiduciárias, do dólar americano como moeda de reserva e, consequentemente, desestabilizar as nações (Imagem: Reuters/Mario Anzuoni)

Conforme noticiado pelo Decrypt, a ex-candidata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, disse que as criptomoedas têm o potencial de comprometer o dólar, apesar de serem “interessantes e exóticas”.

Em sua participação no New Economy Forum da Bloomberg, Clinton disse que as criptomoedas podem afetar o papel das moedas fiduciárias, do dólar americano como moeda de reserva e, consequentemente, desestabilizar as nações.

De acordo com o Decrypt, a ex-candidata à presidência acrescentou:

Há uma categoria de atividade que pode ser extremamente desestabilizante, ou que, em mãos erradas, pode fazer ameaças a muitos dos Estados nacionais e, certamente, aos mercados de moedas globais.

A postura de Clinton aparenta estar alinhada à do presidente americano Joe Biden, que demonstrou seriedade quanto aos riscos apresentados pelas criptomoedas.

Dólar, criptomoedas e a segurança dos Estados Unidos

De acordo com o Decrypt, durante este ano, Joe Biden ressaltou os riscos associados às criptomoedas. No início de 2021, o Departamento de Justiça (DOJ) do país comunicou que ataques de ransomware seriam tratados com o mesmo nível de seriedade que terrorismo.

O comunicado do DOJ aconteceu tempos depois desse tipo de ataque ter ocorrido com grandes empresas, como JBS e Colonial Pipeline.

Poucos meses atrás, Biden formou uma força-tarefa para combater ataques de ransomware e rastrear pagamentos desses ataques com criptomoedas.

De acordo com o Decrypt, as preocupações ligadas a criptomoedas e segurança nacional são bem justificadas, considerando a ampla gama de evidências de como a tecnologia pode ser usada para esses ataques.

Um dos exemplos inclui o comunicado do Hamas, no início do ano, afirmando um aumento no recebimento de doações de bitcoin (BTC) após o início de um novo conflito com Israel. Em outro caso, Andrew Anglin, criador de um site neonazista, recebeu mais de US$ 5 milhões em BTC desde 2017.

Última atualização por Vitória Martini - 19/11/2021 - 12:21

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web