Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Família mais rica de Hong Kong perde US$ 8 bilhões em 12 meses

08/08/2020 - 9:04
Hong Kong
A onda vendedora é mais do que apenas uma má notícia para a família mais rica de Hong Kong, cujo patrimônio líquido reduzido soma US$ 30 bilhões (Imagem: REUTERS/Tyrone Siu)

Talvez seja o pior momento para ser dono da maior incorporadora do mercado imobiliário mais caro do mundo.

Basta perguntar aos Kwok. A fortuna da família por trás do maior império imobiliário de Hong Kong encolheu quase US$ 8 bilhões nos últimos 12 meses, a maior queda entre os clãs asiáticos no ranking da Bloomberg das dinastias mais ricas do mundo.

Abaladas pela pior crise política e econômica de Hong Kong desde pelo menos 1997, as ações da Sun Hung Kai Properties, controlada pela família Kwok, agora são negociadas por menos da metade do valor dos ativos líquidos da empresa.

A onda vendedora é mais do que apenas uma má notícia para a família mais rica de Hong Kong, cujo patrimônio líquido reduzido soma US$ 30 bilhões. Também reflete uma perspectiva preocupante para a cidade como um todo.

Com seu portfólio de torres de escritórios, hotéis, shopping centers e conjuntos de apartamentos, a Sun Hung Kai se apoiou no sucesso de Hong Kong.

O desempenho negativo das ações – especialmente em um momento de valuations globais em alta – aponta para a crescente preocupação de investidores de que os melhores dias do centro financeiro terminaram com o maior controle da China sobre a cidade.

“O valor a longo prazo desses ativos está atrelado a Hong Kong e à integração de Hong Kong à China”, disse Gilles Hilary, professor da McDonough School of Business da Universidade Georgetown, referindo-se às incorporadoras da cidade como um grupo. “O crescimento no futuro não será tão alto quanto no passado.”

Em resposta por e-mail a perguntas da Bloomberg News, a Sun Hung Kai disse que continua focada em Hong Kong e desempenha um papel fundamental no apoio ao papel da cidade como centro financeiro.

“O grupo manterá seu forte foco em Hong Kong no futuro, pois tem total confiança no princípio um país, dois sistemas”, disse a Sun Hung Kai. A empresa possui cerca de 80% de seus ativos na cidade e o restante na China continental.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Vitória Fernandes - 05/08/2020 - 16:22