ImóvelTimes

Fundo imobiliário quer comprar imóveis em SP; 3 mil pontos vem aí?

18 maio 2023, 11:11 - atualizado em 18 maio 2023, 11:11
FII The One fundos imobiliários
Índice de fundos imobiliários está mais perto do que nunca dos 3 mil pontos depois de sete meses (Imagem: Reprodução/The One)

O fundo imobiliário The One (ONEF11) fez oferta para adquirir seis conjuntos do edifício de mesmo nome, mas que pertencem a outro FII.

Em comunicado, o Pátria Edifícios Corporativos (PATC11), dono das unidades 31, 32, 33, 34, 51 e 52, informou ao mercado que recebeu proposta do ONEF11 com a intenção de comprar os imóveis. Contudo, não há informações sobre valores ofertados.

O edifício The One fica no Itaim Bibi, em São Paulo. No entanto, no mês passado, o ONEF11 comunicou que recebeu proposta não vinculante para vender quatro andares do prédio. Mas o preço de oferta equivalente a R$ 26 mil por metro quadrado não agradou.

Segundo o The One, o montante era aproximadamente 13% abaixo do valor patrimonial do empreendimento. Com isso, o fundo imobiliário reiterou que não havia qualquer processo ativo de venda do imóvel em andamento.

Índice de fundos imobiliários

Pode ser nesta quinta-feira (18) que o índice de fundos imobiliários (Ifix) da B3 atinja o maior nível em sete meses, voltando aos 3 mil pontos.

Em alta pelo 16º pregão seguido, por volta das 11h10 (de Brasília), o Ifix subia 0,18%, aos 2.995 pontos. Sendo assim, segue na maior sequência de ganhos em três anos.



No começo de outubro de 2022, o índice de FIIs ficou acima da marca de 3 mil pontos pela primeira vez desde março de 2020. Porém, não teve força se sustentar acima do nível e iniciou uma trajetória de queda.

Nesse intervalo, o Ifix chegou à mínima de 2.736 pontos, em 30 de março. Desde então, vem exibindo recuperação e já engata seis semanas de valorização.

Entre os fundos imobiliários listados no índice, o Versalhes Recebíveis (VSLH11) tinha a maior alta no horário acima, de 3,5%. Por outro lado, o Santander Renda de Aluguéis (SARE11) recuava 2,4% em correção, após subir 4,7% no pregão de ontem.

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin