ImóvelTimes

Fundos imobiliários: Grande varejista paga aluguel, mas por que segue na mira da justiça?

07 mar 2023, 11:23 - atualizado em 07 mar 2023, 19:19
Tok&Stok tok stok inadimplência ordem despejo fundo imobiliário vinci varejo extrema minas gerais centro distribuição cd empiricus
Índice de fundos imobiliários opera em alta depois de dar fim à sequência de seis pregões positivos (Imagem: Facebook/ Tok&Stok)

O fundo imobiliário Vinci Logística (VILG11) informou aos cotistas que a varejista de móveis e decoração Tok&Stok pagou o valor integral do aluguel de fevereiro e que venceu ontem, 6 de março.

O valor refere-se ao contrato de locação do empreendimento “Extrema Business Park I”. Entretanto, o fundo explica que a empresa Estok, controladora da varejista, segue inadimplente com o aluguel de janeiro e vencido em fevereiro.

A inadimplência levou o VILG11 a ajuizar uma ação de despejo contra a Tok&Stok por falta de pagamento. Com isso, a ação segue em andamento.

O fundo imobiliário explica que o contrato de locação vigente tem garantia por meio de seguro fiança com cobertura equivalente a 12 aluguéis vigentes, cuja execução está sujeita a condições aplicáveis a tais garantias.

O imóvel, localizado em Extrema (MG), está locado exclusivamente para a Tok&Stok. Portanto, o aluguel de janeiro, ainda em atraso, representa cerca de 14% das receitas totais do fundo e cerca de 11% da área bruta locável (ABL) total por ele detida.

No mês passado, uma reportagem da Folha de São Paulo disse que a varejista de móveis e decoração devia ao fundo imobiliário mais de R$ 21 milhões.

Índice de fundos imobiliários

O índice de fundos imobiliários (Ifix) da B3 opera em alta desde o início do pregão desta terça-feira (07), após interromper ontem a sequência de seis altas seguidas.

Com isso, por volta das 11h20 (de Brasília), o Ifix tinha alta de 0,11%, aos 2.815 pontos. O volume de negócios ainda é fraco.

Entre os fundos imobiliários, a maior alta vinha do Riza Terrax(RZTR11), que subia 2%. Em contrapartida, o Devant Recebíveis (DEVA11) afundava mais de 6% no horário acima, dando continuidade às perdas exibidas na véspera.

Isso porque o DEVA11 e os fundos Versalhes Recebíveis (VSLH11)e Hectare CE (HCTR11) informaram que a Forte Securitizadora está inadimplente com o pagamento de juros e amortização de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs) vencidos em 22 de fevereiro.

A Forte prometeu que faria o pagamento hoje. Os três FIIs são administrados pela Vórtx e lideraram as perdas no pregão ontem. Hoje, o HCTR11 exibe a segunda maior queda do dia, de 4,6%.

Repórter
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Jornalista mineira com experiência em TV, rádio, agência de notícias e sites na cobertura de mercado financeiro, empresas, agronegócio e entretenimento. Antes do Money Times, passou pelo Valor Econômico, Agência CMA, Canal Rural, RIT TV e outros.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.