Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Fast

Ibovespa tem maior queda do ano com dados ruins do varejo

15/01/2020 - 19:04
Mercados Ibovespa
O Ibovespa caiu 1,04%, a 116.414,35 pontos (Imagem: REUTERS/Paulo Whitaker)

O tom negativo prevaleceu na bolsa paulista nesta quarta-feira e o Ibovespa (IBOV) fechou com a maior queda desde novembro passado, com dados do varejo sinalizando um desempenho ainda fraco da economia real no Brasil, ditando realização de lucros nas ações, principalmente nos setores de bancos e de consumo.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 1,04%, a 116.414,35 pontos, de acordo com dados preliminares, maior queda percentual desde 26 de novembro do ano passado. Ainda assim, o desempenho acumulado em 2020 está positivo, com elevação de 0,6%.

O volume financeiro no pregão somava 20,5 bilhões de reais, em sessão marcada pelo vencimento de opções sobre o Ibovespa.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!

Para Pedro Menezes, membro do comitê de investimento de ações e sócio da Occam Brasil Gestão de Recursos, dados de varejo nesta sessão combinados com indicadores de atividade recentes mostram que a recuperação da economia será gradual.

“Com os dados do final do ano, o mercado passou a achar que a recuperação da economia seria mais rápida, levando a uma maior revisão dos números das empresa no curto prazo. “Com uma recuperação lenta, essa revisão é mais lenta, e isso leva a uma realização (de lucros)”, explicou.

Em novembro, o volume de vendas no varejo subiu 0,6% em relação a outubro e 2,9% na comparação com novembro de 2018. Pesquisa Reuters mostrava expectativas de avanços de 1,1% e 3,8%, respectivamente.

Economistas do Credit Suisse afirmaram que os dados das vendas de varejo mostram alguma moderação na tendência positiva da atividade econômica observada nos últimos meses, após números mais fracos que o esperado na produção industrial e no setor de serviços, conforme relatório a clientes.

Shopping Varejo
Varejo: dados fracos influenciaram desempenho negativo do pregão (Imagem: Gustavo Kahil/Money Times)

“O resultado também aumenta a probabilidade de o PIB crescer mais próximo de 0,5% no quarto trimestre de 2019 em relação ao trimestre anterior…se determinadas medidas implementadas pelo governo federal para aumentar o consumo das famílias no final de 2019 também tiverem efeito limitado nos principais indicadores econômicos em dezembro”, observaram Leonardo Fonseca e Lucas Vilela, que tem como cenário base expansão de 0,8% no período.

No exterior, China e EUA assinaram a fase 1 do acordo comercial, que reverterá algumas tarifas e aumentará as compras chinesas de bens e serviços dos EUA, uma trégua do conflito de 18 meses entre as duas maiores economias do mundo.

Destaques

–  Bradesco (BBDC4) e Itaú Unibanco (ITUB4) caíram 1,75% e 1,23%, respectivamente, corroborando o viés negativo recente no setor devido a receios sobre os efeitos nos resultados decorrentes de mudanças regulatórias e aumento na concorrência. Banco do Brasil (BBAS3) cedeu 1,83%.

Cogna (COGN3) recuou 3,44%, contaminada pelo movimento de realização de lucros e sinais menos animadores sobre a economia, após alta nos quatro pregões anteriores, período em que acumulou alta de 6,6%. Yduqs (YDUQ3) cedeu 0,88%.

Hering (BPAC11) fechou em baixa de 3,27%, em sessão fraca para o setor de varejo, após dados de novembro do IBGE, com Lojas Americanas (LAME3) caindo 1,33% e Lojas Renner (LREN3) recuando 0,66%. O índice do setor de consumo perdeu 0,58%. Já B2W (BTOW3) subiu 2,57%.

GPA (PCAR4) cedeu 1,44%, com analistas avaliando dados de receita do quarto trimestre, que mostraram crescimento de 24% nas vendas bruta entre outubro e novembro ante mesmo período de 2018. O Credit Suisse considerou o desempenho fraco. Carrefour (CRFB3) perdeu 2,35%.

–  Petrobras (PETR4) caiu 1,5% e Petrobras (PETR3) perdeu 2,23%, com a fraqueza do petróleo no exterior, além da esperada oferta de ações da empresa em poder do BNDES.

– Vale (VALE3) cedeu 0,32%, após três altas seguidas, em que se valorizou mais de 4%, apoiada em cenário favorável de analistas para os papéis em 2020. No setor de siderurgia e mineração, Gerdau (GGBR4) caiu 1,49%, CSN (CSNA3) perdeu 1,35% e Usiminas (USIM5) teve baixa de 1,98%.

Marfrig (MRFG3) subiu 4,84%, na terceira alta seguida e ampliando os ganhos em 2020 para cerca de 20%, favorecida por perspectivas positivas para a companhia e o segmento, além da valorização do dólar em relação ao real. JBS (JBSS3) encerrou com baixa de 0,31%.

Dólar

No mercado à vista, o dólar fechou em alta de 1,30%, a 4,185 reais na venda. É a maior valorização diária desde 8 de novembro de 2019 e o patamar mais alto desde 5 de dezembro do ano passado.

Dólar
O dólar fechou em alta de 1,30%, a 4,185 reais na venda (Imagem: REUTERS/Amr Abdallah Dalsh)

Os dados corroboraram ainda mais apostas de cortes de juros. Uma taxa Selic mais baixa reduz a atratividade do real como ativo de investimento, colocando a divisa doméstica em desvantagem em relação a “rivais” como peso mexicano.

Além disso, os sinais de menor ímpeto da economia no fim do ano passado, conforme apontado por dados recentes, jogam contra expectativas de melhora no fluxo cambial, cujo saldo no ano passado foi o pior da história.

Petróleo

Os preços do petróleo registraram leve queda nesta quarta-feira, pressionados por dados que mostraram um grande aumento nos estoques de produtos derivados nos Estados Unidos, embora tenham recuperado parte das perdas após a assinatura do acordo comercial de Fase 1 entre EUA China.

Petróleo
Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 0,49 dólar, ou 0,8%, a 64 dólares por barril (Imagem: Unsplash/@zburival)

Os contratos futuros do petróleo Brent fecharam em queda de 0,49 dólar, ou 0,8%, a 64 dólares por barril, enquanto o petróleo dos EUA recuou 0,42 dólar, ou 0,7%, para 57,81 dólares o barril.

“O ímpeto altista que esperávamos do relatório de hoje da AIE não veio. Como resultado, o complexo parece estar se encaminhando para níveis abaixo dos que antecipávamos, apesar da recuperação no final da sessão”, disse em nota o presidente da consultoria Ritterbusch and Associates, Jim Ritterbusch.

Última atualização por Renan Dantas - 15/01/2020 - 19:04