Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Mulher que largou trabalho para ser mãe monta império no Japão

13/09/2020 - 16:00
Eiko Hashiba
“Minha experiência como mãe trabalhadora me fez perceber que deveria haver indivíduos que gostariam de trabalhar como consultores independentes”, disse Hashiba (Imagem: Site/visasq)

Eiko Hashiba deixou o Goldman Sachs em Tóquio em 2002 para dar à luz uma criança aos 23 anos.

Ter que parar para cuidar do bebê a fez se perguntar por que não havia maneiras mais flexíveis para as mulheres continuarem trabalhando no Japão, em vez de deixar o mercado de trabalho depois de ter filhos.

Dez anos depois, essa pergunta ainda estava em sua mente quando ela co-fundou a VisasQ, que oferece serviços de consultoria semelhantes aos da McKinsey & Co. A diferença? Seus consultores não trabalham internamente: eles são consultores externos.

“Eu tive meu bebê no início da minha carreira e queria algum tipo de trabalho que pudesse continuar, não importa o quê”, disse Hashiba, CEO da VisasQ, em entrevista. A VisasQ é “um serviço que aumenta a capacidade de trabalho de uma pessoa”.

As ações da VisasQ subiram 95% desde a listagem na Bolsa de Valores de Tóquio em março. O aumento empurrou o valor de mercado da empresa para cerca de US$ 238 milhões e tornou Hashiba, que tem uma participação de 52%, multimilionária.

Pessoas de todos os setores se registram como consultores na VisasQ e oferecem sessões de consultoria para clientes em busca de sua experiência. A VisasQ tem mais de 110.000 consultores registrados, de acordo com Hashiba.

“Minha experiência como mãe trabalhadora me fez perceber que deveria haver indivíduos que gostariam de trabalhar como consultores independentes”, disse Hashiba.

Hashiba está entre um seleto grupo de CEOs de empresas japonesas. Apenas 11 das 2.076 empresas listadas que divulgaram as informações, ou menos de 1%, tinham uma mulher como CEO no ano fiscal passado, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

CEO feminina

No início da história da empresa, Hashiba disse que os executivos de capital de risco questionavam se ela poderia ter sucesso no papel de CEO como mulher. Eles disseram que a taxa de sucesso era baixa, o que a inspirou a provar que estavam errados, ela lembrou.

Hashiba ingressou no Goldman Sachs após se formar na prestigiosa Universidade de Tóquio em 2001. Ela deixou o banco depois de apenas um ano para cuidar de seu bebê. Mais tarde, ela trabalhou na L’Oreal e na empresa japonesa de private equity Unison Capital antes de criar a VisasQ.

A VisasQ espera aproveitar o crescente número de aposentados no Japão à medida que busca aumentar o número de consultores registrados para milhões.

Goldman Sachs
Hashiba ingressou no Goldman Sachs após se formar na prestigiosa Universidade de Tóquio em 2001 (Imagem: REUTERS/Brendan McDermid)

Existem mais de 36 milhões de pessoas no país com 65 anos ou mais, de acordo com dados do governo.

Yukio Terakawa, chefe de divisão da Yanmar Holdings, disse que planeja continuar servindo como consultor da VisasQ depois que se aposentar.

“Todos os anos passados fazendo vários tipos de trabalho duro como ‘assalariado’ não foram à toa”, disse Terakawa. “Quero continuar usando o serviço, pois será bom para minha vida após a aposentadoria.”

Daichi Mamada, que trabalha para a Mitsubishi Electric, usou o serviço de consultoria da VisasQ para obter inteligência em um nicho de mercado.

Alto valor

“Era de alto valor; pude obter muitas informações e conhecimentos ”, disse ele. “O serviço de consultoria me permitiu entrar em contato direto com pessoas que não consigo alcançar sozinho.”

O investidor veterano Mitsushige Akino soou um alerta. Ele disse que é muito cedo para saber se deve investir na ação.

“O negócio precisa de um pouco mais de tempo para que o modelo seja verificado”, disse Akino, diretor executivo sênior da Ichiyoshi Asset Management. “Não sabemos ainda se as empresas que usam o serviço realmente se beneficiarão com a consultoria fornecida. Por enquanto, as pessoas estão comprando as ações com um vago entendimento de que o farão.”

Hashiba disse que tenta não se preocupar com os movimentos dos preços das ações, preferindo se concentrar no desenvolvimento de longo prazo da empresa.

“Estamos nos estágios iniciais de nosso crescimento”, disse ela. “Nosso sonho é que todos os que trabalham duro, mesmo aqueles que têm experiência, mas atualmente não trabalham em tempo integral, se inscrevam na VisasQ.”

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Rafael Borges - 11/09/2020 - 13:42