BusinessTimes

Banco do Brasil (BBAS3), Taesa (TAEE11) e outras empresas para ficar de olho hoje

11 ago 2022, 9:08 - atualizado em 11 ago 2022, 9:45
Energia elétrica, Taesa
Principal vilão dos resultados da Taesa foi o salto de 50,5% nas perdas financeiras líquidas. (Imagem: YouTube/TAESA Transmissora Aliança de Energia Elétrica S.A.)

A Taesa (TAEE11) e Banco do Brasil (BBAS3) são alguns dos destaques corporativos desta quinta-feira (11), dia marcado pela repercussão de balanços.

A Taesa viu seu lucro líquido consolidado, apurado pelas regras do IFRS, recuar 19,2% no segundo trimestre, em relação a um ano antes, e somar R$ 564 milhões. O principal vilão dos resultados foi o salto de 50,5% nas perdas financeiras líquidas, que somaram R$ 260,6 milhões.

O Banco do Brasil  registrou lucro líquido ajustado de R$ 7,8 bilhões no segundo trimestre de 2022. O resultado representa um salto de 54,8% em relação ao mesmo período do ano passado e veio acima das estimativas do consenso do mercado, que apontava ganhos de R$ 6,2 bilhões, segundo a Bloomberg.

Outros balanços do dia

PetroRecôncavo (RECV3) reportou um lucro líquido de R$ 131,03 milhões no segundo trimestre de 2022. O valor indica uma alta de 39% frente o mesmo período do ano passado, quando a empresa registrou lucro de R$ 94,56 milhões.

Estapar (ALPK3) registrou prejuízo líquido de R$ 36,32 milhões no segundo trimestre deste ano. O valor é 39,9% menor do que o registrado no mesmo período de 2021, quando a empresa reportou prejuízo líquido de R$ 60,46 milhões.

A rede de pet shops Petz (PETZ3divulgou lucro líquido ajustado de R$ 32,8 milhões, alta de 35,7% sobre o desempenho obtido um ano antes. A empresa apurou uma geração de caixa medida pelo Ebitda ajustado de R$ 66 milhões, avanço de 9,9% na base anual.

Aliansce Sonae registrou alta nas receitas no segundo trimestre deste ano, mas viu o lucro líquido reduzir sensivelmente. As receitas somaram R$ 258 milhões entre abril e junho, uma alta de 19% sobre o mesmo período do ano passado, mas o lucro líquido teve queda de 60%, chegando em R$ 23,5 milhões.

Braskem (BRKM5) apresentou prejuízo líquido consolidado atribuível aos acionistas de R$ 1,4 bilhão no segundo trimestre, em contraste com o lucro de R$ 7,4 bilhões em igual período do ano passado. O resultado se deve tanto à deterioração de linhas operacionais, quanto a pesadas perdas cambiais.

BRF (BRFS3) reportou prejuízo líquido consolidado das operações continuadas de R$ 451 milhões no segundo trimestre. O resultado é 70,8% maior que as perdas de R$ 199 milhões registradas no mesmo período do ano passado.

3R Petroleum (RRRP3) terminou o segundo trimestre do ano com lucro líquido de R$ 32,1 milhões, queda de 40,8% em relação aos R$ 54,3 milhões reportados no mesmo período de 2021.

Grupo Soma (SOMA3) reportou crescimento de 60,7% no lucro líquido do segundo trimestre do ano ante igual período de 2021, a R$ 118 milhões.

SLC Agrícola (SLCE3) reportou lucro líquido de R$ 485,6 milhões no segundo trimestre. A cifra é 8,6% maior que a do mesmo período do ano passado

Lavvi Incorporadora (LAVV3), focada no segmento de alto padrão, reportou lucro líquido atribuído aos controladores de R$ 33,7 milhões no segundo trimestre de 2022. O resultado representa queda de 63% em relação ao mesmo período do ano passado. 

O grupo segurador SulAmérica (SULA11) teve lucro líquido de R$ 139,3 milhões no segundo trimestre, um salto sobre o desempenho positivo de cerca de R$ 30 milhões um ano antes, mas o resultado veio ancorado no efeito da alta de juros sobre os resultados financeiros da companhia.

Banrisul (BRSR3) fechou o segundo trimestre com lucro líquido ajustado de R$ 228 milhões, representando uma queda de 19,2% frente ao resultado do segundo trimestre de 2021 e um aumento de 38,8% em relação ao resultado ajustado do primeiro trimestre.

Positivo (POSI3) mais do que dobrou sua receita no segundo trimestre, com impulso das vendas para governos e empresas, levando a produtora de dispositivos eletrônicos a elevar a estimativa para 2022.

C&A (CEAB3) viu seu lucro líquido encolher 97% no segundo trimestre ante igual período do ano passado. O valor atingido entre abril e junho de 2022 foi de R$ 2,1 milhões, contra o montante de R$ 69,2 milhões em 2021.

Minerva (BEEF3) lucrou R$ 424 milhões no segundo trimestre de 2022, disparada de 264% ante o mesmo período do ano passado. O Ebitda, que mede o resultado operacional, subiu 42,8%, para R$ 424,7 milhões.

GPA

O grupo de varejo alimentar GPA (PCAR3) divulgou que está realizando estudos “preliminares” para separar os negócios da rede sul-americana Éxito do restante da companhia brasileira dona da bandeira Pão de Açúcar.

“Estão sendo realizados estudos preliminares para segregação dos negócios de GPA do Éxito, com o objetivo de destravar o valor de Éxito”, afirmou a companhia brasileira em fato relevante.

*Colaboraram Diana Cheng, Iasmin Rao Paiva, Márcio Juliboni, Renan Dantas e Zeca Ferreira, com informações da Reuters

Editor
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Jornalista formado pela Universidade Federal do Paraná (UFPR), com MBA em finanças pela Estácio. Colaborou com revista Veja, Estadão, entre outros.
Linkedin
Giro da Semana

Receba as principais notícias e recomendações de investimento diretamente no seu e-mail. Tudo 100% gratuito. Inscreva-se no botão abaixo:

*Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.