Métricas da rede Chainlink se alinham à tendência de alta do token LINK

12/11/2020 - 9:53
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Conforme cada vez mais blockchains não compatíveis, APIs e conjuntos de dados começam a surgir, o mesmo vale para a necessidade de trazer interoperabilidade aos mundos “on-chain” e “off-chain”. LINK deseja solucionar esse problema por meio de uma rede descentralizada de oráculos com operadores de nós, incentivada a propagar dados precisos ao fazer o staking de LINK (Imagem: Crypto Times)

Chainlink é uma rede descentralizada de oráculos desenvolvida no blockchain Ethereum.

A rede foi criada para conectar fontes de dados fora do blockchain (“off-chain”), como interfaces de programação de aplicações (APIs), feeds de dados ou pagamentos bancários, para contratos autônomos no blockchain (“on-chain”). Chainlink foi ao ar em 30 de maio de 2019.

A capitalização de mercado do token LINK é de US$ 5,02 bilhões, com base na circulação de 391 milhões de tokens, e teve um volume de negociação de US$ 752 milhões nas últimas 24 horas.

O preço à vista continua a atingir recordes este ano. Dentre os 20 principais criptoativos em capitalização de mercado, LINK foi o token de melhor desempenho nos mercados de dólar ao longo de 2019.

Clique aqui para ler mais sobre a rede de oráculos de preço Chainlink e ouça a edição #41 do podcast Crypto Storm:

Análise técnica

Um roteiro de desenvolvimento (roadmaps) para a confirmação e força da tendência pode ser encontrado usando Médias Móveis Exponenciais (MMEs), perfil de volume do intervalo visível (VPVR), pontos de pivô, a Nuvem de Ichimoku, “pitchforks” (“garfos de Andrew”) e padrões gráficos.

Clique aqui para entender mais sobre as análises técnicas descritas abaixo.

Médias Móveis Exponenciais (MMEs) são um indicador técnico de gráfico que rastreia o preço de um investimento ao longo do tempo.

No gráfico diário para o mercado LINK/USD, o preço à vista relacionado à MME de 50 dias e à de 200 dias pode ser usado como um teste decisivo para a tendência.

Essas médias se cruzaram positivamente no dia 16 de abril após a queda anterior de 70% no preço. Ambas as MMEs estão acima do pivô anual R3 em US$ 8,28 e provavelmente continuarão atuando como suporte.

Pontos de pivôs são usados para determinar a tendência geral do mercado em diferentes períodos. Assim, se refere à média de alta, baixa e do preço de fechamento do dia anterior de negociação.

O perfil de volume do intervalo visível (VPVR) é um indicador que mostra a atividade de negociação ao longo de um período específico de tempo a certos níveis de preço. Assim, mostra o que foi comprado e vendido a esses níveis atuais.

O VPVR (barras horizontais no gráfico abaixo) também mostra um suporte para a zona dos US$ 3,80, no pivô anual R1, com pouca resistência de volume no futuro. A última resistência positiva, antes de acontecer um novo teste de alta recorde, está em US$ 12,10 para o pivô anual R5.

Além disso, não existem divergências de baixa ou de alta para o volume ou para o Índice de Força Relativa (RSI).

A Nuvem de Ichimoku é uma coleção de indicadores técnicos que mostram os níveis de apoio e resistência, bem como o ímpeto e a direção da tendência.

Considerando a Nuvem de Ichimoku, existem quatro métricas essenciais: o preço atual em relação à nuvem, a cor da nuvem (vermelho para baixa, verde para alta), as cruzes Tenkan (T) e Kijun (K) e o período de atraso (“lagging span”).

A cruz Tenkan, ou linha de conversão, é o ponto médio dos maiores e menores preços de um ativo nos nove períodos anteriores. Já a cruz Kijun, ou linha-base, é usada para gerar sinais de negociação quando cruzada com a Tenkan para os 26 últimos períodos.

A melhor entrada acontece quando a maioria dos sinais disparam de baixa para alta, ou vice-versa.

No gráfico diário, as métricas da Nuvem indicam uma alta. O preço à vista está acima da Nuvem, mas a Nuvem indica uma baixa, diferente das cruzes T/K, que estão positivas. O período de atraso está dentro da Nuvem e acima do preço à vista.

A tendência irá continuar em alta enquanto o preço à vista se mantiver acima da Nuvem, em US$ 12,33. Nos próximos dias, uma irrupção positiva de Kumo pode acontecer, atuando como um longo sinal de compra.

As variações históricas de preço também podem fornecer uma faixa de possíveis preços-alvo para uma zona de alta e de baixa.

Usando “backtesting” (método geral que avalia uma estratégia de negociação ao descobrir como ela aconteceria usando apenas dados históricos), inúmeras iterações de qualquer média de um quadro temporal de preço alto podem ser usadas, contanto que altas anteriores possam ser previstas de forma precisa.

Preços abaixo da média móvel podem ser considerados como áreas que poderão encontrar suporte e devem ser consideradas como condições de sobrevenda.

Preços acima de alguns múltiplos da média móvel podem ser zonas que, provavelmente, encontrarão resistência e devem ser consideradas como condições de sobrecompra.

Atualmente, a média móvel do semestre fornece um limite inferior de US$ 9,03. O multiplicador de três vezes do semestre fornece um limite superior de US$ 28,08. Atualmente, o preço está no meio das duas faixas.

No gráfico diário para LINK/BTC, as métricas de tendência permanecem em alta. O preço se manteve acima da MME de 200 dias desde agosto de 2018. Além disso, desde 2018, todas as quedas abaixo da Nuvem foram temporárias, resultando em uma tendência contínua de alta.

A tendência se manterá em alta enquanto o preço à vista estiver acima desses dois níveis importantes. O suporte ao VPVR de alto volume estará próximo à zona de 12 mil sats caso o preço caia abaixo da MME de 200 dias.

“Sats” se referem a satoshis, as menores frações de um bitcoin, ou 0,00000001 BTC.

“Pitchforks” (ou “garfos de Andrew”) são um indicador técnico que usa três linhas paralelas de tendência para identificar possíveis níveis de suporte e resistência, bem como uma possível irrupção e níveis de colapso.

Um elevado quadro temporal de pitchforks com pontos de âncora em julho de 2018 e janeiro e maio de 2019 englobam a atual ação de preço. Ao longo de qualquer tendência, o preço à vista volta para a linha mediana diversas vezes — atualmente, a 80 mil sats (linha amarela do gráfico abaixo).

Com base na linha média e resistência do pivô anual, espera-se que haja um preço de 100 mil sats em fevereiro de 2021, caso a tendência continue. Um preço próximo a 47 mil sats provavelmente invalidaria a tendência atual.

No gráfico diário para LINK/ETH, as métricas de tendência são parecidas com o gráfico LINK/BTC: o preço se manteve tanto acima da MME de 200 dias como da Nuvem desde julho de 2018. A tendência continuará em alta enquanto o preço à vista estiver acima desses dois níveis importantes.

A resistência positiva dos pivôs anuais está em 0,035 ETH. Se e quando essa tendência for revertida, haverá pouco apoio negativo do VPVR até atingir o nível de 0,0036 ETH.

O padrão anterior de uma possível reversão negativa, a cunha crescente, falhou em ultrapassar a MME de 200 dias. Características desse padrão incluem uma série de maiores altas e maiores baixas confinadas em uma zona de contração.

Segundo Thomas Bulkowski, especialista de padrões gráficos, “cunhas crescentes são um dos piores padrões gráficos de desempenho que podem irromper para qualquer direção, mas acabam caindo 60% das vezes”.

Conforme cada vez mais blockchains não compatíveis, interfaces de programação de aplicações (APIs) e conjuntos de dados começam a surgir, o mesmo vale para a necessidade de trazer interoperabilidade aos mundos “on-chain” e “off-chain”.

LINK deseja solucionar esse problema por meio de uma rede descentralizada de oráculos com operadores de nós, incentivada a propagar dados precisos ao fazer o staking de LINK.

Até agora, LINK estabeleceu importantes provas de conceito ou parcerias com SWIFT, Google, Oracle e Intel — todas líderes nas indústrias bancárias ou de armazenamento em nuvem.

Métricas “on-chain” para o token LINK, a atividade de desenvolvimento no GitHub e Google Trends mostram um aumento forte e contínuo na atividade nos últimos meses, que apoia os recentes aumentos positivos de preço e a contínua tendência positiva de preço.

Porém, essa onda de atividade no blockchain pode estar relacionada à demanda especulativa, e não necessariamente ao uso orgânico da rede.

Além disso, os 262 milhões de tokens restantes atualmente mantidos pela empresa-mãe Smart Contract Limited podem ser vendidos a qualquer momento. Com base na atividade recente de carteiras, 4 milhões de tokens LINK foram movimentados no último mês.

Aspectos técnicos para LINK/USD permaneceram em território de alta (“bullish”) desde a queda em março, em que o preço do LINK se manteve acima da MME de 200 dias e um pouco abaixo da Nuvem diária.

Um forte sinal de compra surgirá com qualquer impulso além de US$ 12, com base em métricas da Nuvem. Caso qualquer continuação da tendência de alta venha a falhar, um forte suporte com base na MME de 200 dias e nos pivôs anuais está em US$ 8,28.

Aspectos técnicos para os pares LINK/BTC e LINK/ETH sugerem uma previsão de alta com uma tendência contínua de alta multianual. Ambos os pares estão acima da MME de 200 dias, mas abaixo da Nuvem diária.

Se os preços aumentaram ao longo de 2020 e 2021, tokens LINK detidos pela Smart Contract Limited podem ser novamente vendidos a uma taxa mais alta, como foi o caso entre julho e agosto de 2019.

Além disso, conforme a rede Ethereum migra para a Ethereum 2.0, o par LINK/ETH poderá entrar em um mercado de baixa a curto prazo impulsionado por especuladores de ETH.

Celsius integra oráculos de preço da Chainlink
para garantir mais transparência

Gostou desta notícia? Baixe o nosso app para ler, em apenas um clique, esta e mais de 150 matérias diárias.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 08/03/2021 - 14:35

Pela Web