Pesquisas pelo termo “monero” atingem alta; confira análise de preço da criptomoeda XMR

Brave New Coin
13/01/2021 - 10:16
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
O interesse global pelo termo “Monero” no Google Trends esteve relativamente baixo ao longo de 2018, 2019 e 2020 (Imagem: Monero)

Criada em abril de 2014, a moeda de privacidade monero (XMR) permite transações irrastreáveis, não interligáveis, privadas e resistentes a análises. O preço da criptomoeda caiu 66% de sua alta recorde de quase US$ 500, definida em dezembro de 2017.

Atualmente, a moeda está em 15º lugar na tabela de capitalização de mercado da Brave New Coin, com US$ 2,84 bilhões. US$ 494 milhões foram negociados nas últimas 24 horas.

Clique aqui para entender como funcionam os recursos de privacidade da criptomoeda e confira as atualizações feitas na rede.

O que são criptomoedas de privacidade?

Cerca de 96,8% do total de 18,4 milhões de XMR disponíveis até maio de 2022 já foram minerados. XMR possui um intervalo entre blocos de dois minutos, com uma inflação anual de 1,80% (linha azul do gráfico abaixo), uma das mais baixas dentre todas as moedas.

Quando comparada à curva gradual desinflacionária, que acontece a cada “halving” do Bitcoin — redução pela metade na recompensa por bloco fornecida a mineradores —, XMR possui uma curva de emissão mais suave até a recompensa por bloco atingir 0,3 XMR por minuto, onde permanecerá por tempo indefinido.

Isso é chamado de emissão posterior (ou “tail emission”) e certifica que exista uma recompensa por bloco para sempre, independente das taxas de transação. O fornecimento total de XMR (linha roxa do gráfico abaixo) é bem menor do que o fornecimento total de bitcoins (linha verde do gráfico abaixo).

(Imagem: CoinMetrics)

Transações diárias (linha do gráfico abaixo) na rede Monero continuaram a aumentar desde a bifurcação de novembro, atingindo uma nova alta recorde esta semana.

Desde janeiro de 2018, aumentos na dificuldade de mineração (preenchimento em verde no gráfico abaixo) vieram antes de aumentos na transação diária, sugerindo que a atividade de mineração pode ser uma das causas para esse aumento de transações.

Conforme atividades de mineração operadas por malware ou novas máquinas com chips de circuitos integrados de aplicação específica (ASICs) são ligadas ou desligadas, a dificuldade de mineração pode variar consideravelmente.

(Imagem: CoinMetrics)

Historicamente, XMR foi a líder em relação a taxas médias de transação (linha vermelha do gráfico abaixo).

Atualmente, as taxas de transação de XMR estão em US$ 0,04, mais altas do que as de DASH, ZEC, DCR, PIVX e GRIN. Historicamente, XMR também teve mais transações por dia do que ZEC, GRIN ou PIVX, mas menos transações do que DASH.

(Imagem: CoinMetrics)

Em outubro de 2018, XMR realizou uma bifurcação para implementar “bulletproofs”, que reduziam o tamanho das transações em 80% e, imediatamente, diminuíram as taxas médias de transação para US$ 0,020.

Agora, o intervalo médio diário entre blocos é maior do que DASH, ZEC, DCR e PIVX, e também diminuiu drasticamente desde o acréscimo de “bulletproofs” (gráfico abaixo).

(Imagem: CoinMetrics)

O interesse global pelo termo “Monero” no Google Trends esteve relativamente baixo ao longo de 2018, 2019 e 2020. Porém, nas últimas semanas, o número de pesquisas pelo termo atingiu altas recordes.

Um breve aumento em pesquisas para “Monero” aconteceu antes de seu mercado de alta (“bull run”) do quarto trimestre de 2017, provavelmente sinalizando uma entrada de novos participantes do mercado na época.

Um estudo realizado em 2015 descobriu uma forte correlação entre os dados do Google Trends e o preço do bitcoin, enquanto um estudo de 2017 concluiu que quando as pesquisa nos EUA sobre “Bitcoin” aumentam drasticamente, o preço do bitcoin cai.

(Imagem: Google Trends)

Análise técnica

Um possível roteiro de desenvolvimento (“roadmap”) para uma futura ação de preço pode ser encontrado usando médias móveis exponenciais (MMEs), o perfil de volume do intervalo visível (VPVR), o Índice de Força Relativa (RSI) e a Nuvem de Ichimoku.

Médias Móveis Exponenciais (MMEs) são um indicador técnico de gráfico que rastreia o preço de um investimento ao longo do tempo.

No gráfico diário para o mercado XMR/USD, a MME de 50 dias e a de 200 dias se cruzaram inúmeras vezes nos últimos 18 meses. Atualmente, a cruz indica um mercado de alta, pois o preço está acima das duas MMEs.

Pontos de pivôs são usados para determinar a tendência geral do mercado em diferentes períodos. Assim, se refere à média de alta, baixa e do preço de fechamento do dia anterior de negociação.

O suporte negativo para a atual tendência de alta está nos pivôs anuais entre US$ 120 e US$ 64, na MME de 200 dias em US$ 120 e no nível psicológico de US$ 100.

O perfil de volume do intervalo visível (VPVR) é um indicador que mostra a atividade de negociação ao longo de um período específico de tempo a certos níveis de preço. Assim, mostra o que foi comprado e vendido a esses níveis atuais.

Atualmente, o preço à vista está acima de dois grandes nós de volume no VPVR, entre US$ 85 e US$ 97 e entre US$ 115 e US$ 125. Ambas essas áreas devem atuar como um forte suporte para qualquer retração. Outra resistência positiva, com base no pivô anual, está entre US$ 208 e US$ 261.

Além disso, posições de compra/venda na corretora Bitfinex (parte superior do gráfico abaixo) estão 34% para compra, em que estas diminuíram nas últimas semanas.

Historicamente, posições abertas em XMR na Bitfinex são predominantemente de compra.

Além disso, uma divergência de baixa no índice de força relativa (RSI) — que mede a magnitude das recentes variações de preço para avaliar condições de sobrecompra ou sobrevenda —, mas não no volume, continuou a crescer desde agosto de 2020.

A Nuvem de Ichimoku é uma coleção de indicadores técnicos que mostram os níveis de apoio e resistência, bem como o ímpeto e a direção da tendência.

Em relação à Nuvem de Ichimoku, existem quatro métricas essenciais: o preço atual em relação à nuvem, a cor da nuvem (vermelho para baixa, verde para alta), as cruzes Tenkan (T) e Kijun (K) e o período de atraso (“lagging span”).

A cruz Tenkan, ou linha de conversão, é o ponto médio dos maiores e menores preços de um ativo nos nove períodos anteriores. Já a cruz Kijun, ou linha-base, é usada para gerar sinais de negociação quando cruzada com a Tenkan para os 26 últimos períodos.

A melhor entrada acontece quando a maioria dos sinais disparam de baixa para alta, ou vice-versa.

No gráfico diário, as métricas de nuvem, com configurações duplicadas (20/60/120/30) para sinais mais precisos, indicam uma alta. O preço à vista está acima da Nuvem, então a Nuvem indica uma alta, assim como as cruzes T/K.

O período de atraso está acima da Nuvem e do preço à vista. A tendência permanecerá em alta enquanto o preço se mantiver acima da Nuvem. O suporte de Kijun está em US$ 149.

O cruzamento e recruzamento das linhas T/K em meados de dezembro foi um excelente indicador de continuação da forte tendência de alta. Outro cruzamento e recruzamento das linhas T/K pode acontecer nas próximas semanas.

Por fim, no gráfico de dois dias do par XMR/BTC, a tendência indica uma baixa. O preço está novamente abaixo da MME de 400 dias e da Nuvem de dois dias. O suporte negativo está no pivô anual e na congestão do VPVR próximos de 0,032 BTC.

Se essas baixas não se sustentarem, uma queda aos níveis de 2015 e 2016 de 0,0020 BTC pode ser extremamente possível a curto prazo.

Os alvos de reversão de média incluem o pivô anual, a MME de 400 dias e o suporte de Kijun a 0,0075 BTC.

Além disso, não existem divergências de alta ou baixa no volume ou no RSI para sugerir um enfraquecimento do ímpeto de baixa.

Aspectos fundamentais mostram atualizações ativas e contínuas à rede XMR nos últimos anos, incluindo menores custos de transação, maior eficácia de transação, ofuscação de quantias transacionadas no blockchain (ou “blockchain pruning”), maior privacidade e melhores soluções de custódia.

Recentemente, transações diárias atingiram novos níveis recordes, com uma inflação anual abaixo de 2%.

Em novembro de 2019, a rede XMR migrou do algoritmo de consenso CryptoNight para o Random X. O objetivo do novo algoritmo é remover permanentemente a mineração com chips de circuito integrado de aplicação específica (ASICs) da rede ao dar vantagem competitiva de mineração com CPUs.

Graças à rígida privacidade, o tráfego na dark net continua grande por contas de novos malwares ou vetores de invasão que têm a comunidade Monero como alvo, inclusive, mesmo que por pouco tempo, o site oficial da Monero.

Aspectos técnicos para o par XMR/USD estão positivos. O preço à vista está acima da MME de 200 dias e da Nuvem diária, com o surgimento de uma “Cruz de Ouro” (que indica condições positivas para o ativo) e um cruzamento de alta recente entre as linhas T/K acima da Nuvem.

Toda a atenção estará na forte zona de resistência entre US$ 150 e US$ 200 baseada em VPVR, pivôs anuais e números redondos psicológicos.

Aspectos técnicos para o par XMR/BTC indicam uma baixa, pois o preço está abaixo da MME de 400 dias e da Nuvem de dois dias. O suporte negativo está próximo do pivô anual de 0,032 BTC e do período de consolidação entre 2015 e 2016 de 0,0020 BTC.

Os alvos de reversão de média estão em 0,0075 BTC com base no pivô anual, na MME de 400 dias e no suporte de Kijun.

Pressão regulatória faz com que grandes corretoras
deslistem criptomoedas de privacidade

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 13/01/2021 - 10:21

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado cripto?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto
Pela Web