CryptoTimes

Em relatório, Tether alega ter quase 50% de sua reserva em notas promissórias

09 ago 2021, 11:03 - atualizado em 09 ago 2021, 11:03
Tether
Apesar de ser a maior stablecoin do mercado cripto, a Tether já apresentou contradições com relação às informações de suas reservas (Imagem: Facebook/Tether)

Conforme noticiado pelo Decrypt, a stablecoin centralizada Tether (USDT) emitiu um informe em que apresenta os ativos consolidados da empresa. 

Segundo consta no documento, a maior stablecoin do mercado cripto tem uma reserva de US$ 62,7 bilhões, montante esse que quase corresponde ao total de capitalização de mercado da criptomoeda lastreada em dólar.

O informe foi elaborado por Moore Cayman, empresa de auditoria com sede nas Ilhas Cayman, no dia 30 de junho deste ano. 

Com relação aos US$ 62,7 bilhões, US$ 30,8 bilhões advêm de notas promissórias e certificados de depósito. No entanto, somente 10% das reservas da stablecoin são em dinheiro e depósitos bancários.

Em maio deste ano, a Tether divulgou um relatório detalhado de suas reservas. O documento apontava que a stablecoin tinha somente 3,87% de suas reservas em dinheiro físico, apesar de declarações anteriores em que afirmava ter 100% de sua reserva nesse formato.

Repórter
Graduada em Letras (Português/Inglês) pela Universidade de São Paulo (USP). Iniciou sua carreira como estagiária de revisão na Editora Ática, local em que atuou depois como revisora freelancer. Já trabalhou para o The Walt Disney World, nos Estados Unidos, em um programa de intercâmbio de estágio, experiência que reforçou sua paixão pela língua inglesa e pela tradução. Estagiou na Edusp, e integra, há um ano, a equipe do Money Times como repórter-tradutora de notícias ligadas a criptomoedas.
Linkedin
Graduada em Letras (Português/Inglês) pela Universidade de São Paulo (USP). Iniciou sua carreira como estagiária de revisão na Editora Ática, local em que atuou depois como revisora freelancer. Já trabalhou para o The Walt Disney World, nos Estados Unidos, em um programa de intercâmbio de estágio, experiência que reforçou sua paixão pela língua inglesa e pela tradução. Estagiou na Edusp, e integra, há um ano, a equipe do Money Times como repórter-tradutora de notícias ligadas a criptomoedas.
Linkedin