Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Novo token da Poolin visa preencher lacuna entre a mineração de bitcoin e o setor DeFi

12/01/2021 - 16:02
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
mineração bitcoin
“pBTC35A ajuda a padronizar a taxa de hashes do bitcoin e fornece uma referência para a precificação de máquinas de mineração com ASICs no futuro”, afirma CEO da Poolin (Imagem: Pixabay/rebcenter-moscow)

Poolin, o segundo maior pool de mineração de bitcoin, lançou um token padrão ERC-20 lastreado na capacidade da taxa de hashes da rede Bitcoin em uma tentativa de unir a mineração proof-of-work (PoW) e a estratégia de “yield farming” — quando fornecedores de liquidez ganham recompensas com um token específico.

O token é chamado pBTC35A. Como o nome sugere, cada unidade representa 1 terahash por segundo (TH/s) de poder de hashing — computacional — detido pela Poolin a uma eficiência energética de 35 joules por terahash.

Em um experimento que conecta a mineração PoW com as finanças descentralizadas (DeFi), Poolin também lançou um protocolo chamado Mars.

Usuários que realizarem o staking (“aplicarem” dinheiro) do token pBTC35A, ou negociarem o par pBTC35A contra tether (USDT) em um dos pools de liquidez do protocolo Mars, podem receber recompensas na forma do token de governança do Mars, bem como wrapped bitcoin (wBTC).

O cálculo é baseado na quantia de bitcoin que a taxa de hashes implícita pode minerar com a atual dificuldade da rede após deduzir um custo específico de eletricidade e 2,5% das taxas da Poolin.

O pool de mineração disse que, nesta etapa, está vendendo até 50 mil pBTC35A, equivalente a 50 mil TH/s de poder computacional, possíveis graças às novas máquinas de mineração com chips de circuitos integrados de aplicação específica (ASICs) nas instalações da Poolin.

“Ao configurar apenas dois parâmetros, a eficiência energética (35 J/TH) e o custo de energia (US$ 0,0583 kWh), pBTC35A ajuda a padronizar a taxa de hashes do bitcoin e fornece uma referência para a precificação de máquinas de mineração com ASICs no futuro”, disse Kevin Pan, cofundador e CEO da Poolin.

“Já que a proporção de eficiência energética e o custo de eletricidade são fornecidos, também há mais transparência para calcular os resultados correspondentes de mineração no blockchain [em comparação à mineração tradicional em nuvem].”

Neste momento, mais de 11 mil tokens pBTC35A foram vendidos. Usuários ou compram o token de taxa de hashes diretamente no Poolin a um preço de 100 USDT por unidade (US$ 1) ou o negociam com USDT na Uniswap, precificado, neste momento, a US$ 101,05.

Investidores do token pBTC35A podem obter uma rentabilidade com base no poder computacional aplicado à mineração de bitcoin da Poolin (Imagem: Pixabay/QuinceCreative)

Mineração perpétua

Tal oferta apresenta um prêmio de preço em comparação ao custo de cada terahash por segundo em ordens à vista para novas máquinas ASICs de bitcoin.

Por exemplo, agora, atacadistas estão pedindo mais de 40 mil yuans (US$ 6,2 mil) por um lote à vista do modelo S19 da série Antminer da Bitmain, que possui um poder computacional de 95 TH/s. Isso significa que 1 TH/s de inventário S19 à vista vale quase US$ 70.

Segundo Pan, o que os compradores querem, ao pagar esse prêmio, são as recompensas perpétuas pela mineração de bitcoin sem os problemas que operações de máquinas de mineração físicas ou em nuvem possam apresentar, incluindo cortes ou quedas de energia por conta da depreciação.

As recompensas de mineração de wBTC serão pagas perpetuamente se usuários fizerem o staking do pBTC35A nos pools de liquidez do Mars até o preço do bitcoin cair significativamente a um nível que impossibilite a rentabilidade de mineração com uma eficiência energética de 35 J/TH a um custo de eletricidade de US$ 0,058 por quilowatt/hora.

S19 da Bitmain, por exemplo, possui uma proporção padrão de eficiência energética de 34 J/TH.

Há uma escassez de novos hardwares de mineração de bitcoin em meio ao mercado de alta da criptomoeda (Imagem: BitMEX/Blog)

Na atual dificuldade de mineração do bitcoin e a um custo de eletricidade de US$ 0,058 kWh, S19 não é considerado rentável se o preço do bitcoin cair abaixo de US$ 6.551, segundo o rastreador de dados sobre a rentabilidade de mineração do Poolin e do F2Pool.

Poolin disse que haverá outros tokens de taxa de hashes para ether e outras moedas PoW, mas ainda não há um cronograma de lançamento.

O token da taxa de hashes surge em um momento em que a mineração de bitcoin está se tornando cada vez mais competitiva devido ao crescente preço do bitcoin, o que causou uma escassez significativa no mercado por novos hardwares.

Na semana passada, um projeto chamado 1-b.tc apresentou produtos parecidos em uma tentativa de padronizar a taxa de hashes da mineração de bitcoin.

O projeto, lastreado pelo poder de hashes fornecido pelas fazendas de mineração 360power e Ke Wo Ying Mining, lançou o BTC Standard Hashrate Token (BTCST) pela plataforma Launchpool da Binance.

Usuários que realizam o staking de BNB, BTC ou BUSD em pools de liquidez podem receber recompensas de um fornecimento inicial de 40 mil BTCST, em que cada um representa 0,1 TH/s de poder computacional.

Ao realizar o staking de BTSCT pela aplicação descentralizada (dapp) do projeto, usuários podem receber wBTC com base na quantia de bitcoins que a taxa de hashes implícita é capaz de gerar.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
theblockcrypto.com © 2020 - The Block Crypto, Inc. All rights reserved. Todos os direitos reservados.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 12/01/2021 - 16:05