Leia os avisos legais em avenue.us. Intermediação Coin DTVM

5 principais notícias do mercado internacional desta segunda; Alphabet em destaque

29/04/2019 - 8:19
Veja as 5 notícias do mercado internacional

Por Investing.com

Confira as cinco principais notícias desta segunda-feira, 29 de abril, sobre os mercados financeiros:

1 – Alphabet em destaque na semana cheia de resultados

A Alphabet (NASDAQ:GOOGL), matriz do Google, será o destaque da temporada de resultados nesta segunda-feira, em uma semana que trará resultados de mais de 150 empresas constituintes do S&P 500.

Paul Donovan: Quando o que não aconteceu é o foco

Após o encerramento do relatório, espera-se que o Google registre um aumento de 6% nos lucros para US$ 10,53 por ação em relação ao mesmo período do ano anterior, muito longe do aumento de 32% registrado no quarto trimestre. No acumulado do ano, as ações da companhia avançaram quase 23%, superando o salto de 17% registrado pelo S&P 500.

3 lições para montar uma carteira de ações ao estilo Luiz Barsi

A Spotify (NYSE:SPOT), sediada na Suécia, e a Restaurant Brands (NYSE: QSR) também divulgarão os lucros antes do início da segunda-feira.

2 – Boeing: CEO enfrenta acionistas

O presidente-executivo da Boeing (NYSE:BA), Dennis Muilenburg, vai enfrentar os acionistas na segunda-feira pela primeira vez desde os dois acidentes fatais que levaram à aterrissagem dos 737 aviões MAX.

A queda de uma aeronave da Ethiopian Airlines 737 MAX em 10 de março, com 157 mortes, ocorreu apenas cinco meses após um acidente similar da Lion Air que matou 189 passageiros e tripulantes.

O presidente da Boeing, Muilenburg, quer apresentar um novo pacote de treinamento para pilotos, além de uma solução de software. mas para isso téra que enfrentar os acionistas

Muilenburg está lutando para apresentar uma solução de software e um novo pacote de treinamento de pilotos que convença os reguladores de que o avião está seguro para voar. Vários reportagens no fim de semana sugeriram que inúmeros denunciantes, atualmente ou anteriormente empregados pela Boeing, haviam alertado a Administração Federal de Aviação (FAA) após as conclusões preliminares de uma investigação sobre o segundo acidente.

Separadamente, o The Wall Street Journal informou que a Southwest Airlines (NYSE:LUV), o maior cliente do 737 MAX, disse que não havia sido informada de que um recurso de segurança padrão para avisar sobre sensores com defeito havia sido desativado até depois do acidente da Lion Air.

Embora a Boeing ainda não tenha apresentado as mudanças para fazer uma revisão, a Reuters informou que a FAA poderia aprovar o reinício dos vôos com o 737 MAX no final de maio ou início de junho.

3 – Wall Street flutua perto de altas recordes

Depois do registro de dois fechamentos recorde do S&P 500 e do Nasdaq, os futuros apontaram para uma abertura moderada na segunda-feira, com os mercados se preparando para mais ganhos esta semana, a decisão política do Federal Reserve e o {{ec-227||relatório mensal de empregos}}.

Às 6h35, o blue-chip futuros do Dow subia 2 pontos enquanto futuros do S&P 500 e o índice futuro de tecnologia Nasdaq 100 caíam 1 ponto, praticamente inalterados.

Uma leitura mais forte do que o esperado para o crescimento econômico americano no primeiro trimestre impulsionou das ações na sexta-feira, mas o Dow foi prejudicado na semana passada pelos lucros decepcionantes da Intel (NASDAQ:INTC) e gigante industrial 3M (NYSE:MMM). Ainda permanece apenas 1,5% longe das máximas históricas.

As ações europeias subiam na segunda-feira, impulsionadas pelas altas recordes de Wall Street e lideradas pelas ações italianas que comemoraram a decisão da Standard & Poor de afirmar o avaliação do país. A Espanha foi uma exceção notável, com as ações caíndo 0,5%, quando os socialistas de centro-esquerda do primeiro-ministro Pedro Sánchez emergiram como o maior partido nas eleições de domingo.

Com os mercados japoneses fechados para um feriado, as ações asiáticas estavam mistas nesta segunda-feira. O Shanghai Composite da China não conseguiu se recuperar de seu pior desempenho semanal desde outubro, apesar dos dados que mostraram que os lucros das empresas industriais chinesas cresceram pela primeira vez em quatro meses.

4 – Petróleo amplia perdas enquanto Trump insiste em preços mais baixos

Petróleo continuou suas perdas pela quarta sessão consecutiva enquanto o presidente Donald Trump pressionou a Opep a baixar os preços e a Rússia sugeriu que o fluxo de petróleo na Europa Oriental deveria voltar ao normal nas próximas duas semanas.

Os contratos futuros de petróleo bruto nos EUA caíam 40 centavos, ou 0,6%, para US$ 62,90 às 6h37, enquanto o petróleo Brent caía 51 centavos, ou 0,7%, para US$ 71,12.

“Os preços da gasolina estão caindo. Eu liguei para a OPEP, eu disse que você tem que baixá-los. Você precisa baixá-los”, Trump disse a repórteres na sexta-feira.

Apoiando a pressão descendente sobre os preços do petróleo, a Rússia indicou que será capaz de resolver rapidamente uma crise de contaminação do petróleo que sufocou os fluxos para a Europa central e ocidental, incluindo a Polônia e a Alemanha. Os oleodutos haviam sido suspensos devido a problemas de qualidade do petróleo bruto.

Antes do recente declínio, o petróleo havia atingido altas de seis meses depois que a Casa Branca anunciou que não concederia mais isenções às compras de petróleo do Irã, reacendendo as preocupações com a oferta.
Mesmo com a queda de 5,6% nos quatro dias, o petróleo bruto dos EUA ainda subiu 38% este ano, até agora.

5 – Inflação em destaque antes da decisão do Fed

O foco dos dados econômicos no calendário de segunda-feira será para a inflação antes da decisão de política monetária do Federal Reserve nesta semana.

O Bureau de Análises Econômicas divulgará seu índice de preços de consumo pessoal do PCE para fevereiro às 9h30. A leitura anual do núcleo do índice de preços da PCE, conhecido como o indicador de inflação preferido do Fed, deve ter desacelerado de 1,8% para 1,7% em janeiro e março.

Segundo o Fed, inflação deve ser de 1,8% para 1,7% (Imagem: Pixabay)

Uma inflação moderada tem sido um fator-chave para apoiar a decisão do Fed este ano de ser paciente com qualquer ideia de mais aperto nas políticas. Nenhuma mudança é esperada nas taxas de juros quando os formuladores das políticas anunciarem sua decisão na quarta-feira.

Também incluídos no relatório da BEA, os índices de renda e gastos pessoais darão uma visão sobre o estado do consumidor americano. O relatório inclui dados de fevereiro e março, já que o BEA finalmente alcançou a agilidade que tinha antes o fechamento do governo.

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro?

Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Leia mais sobre: , ,

Última atualização por Bruno Andrade - 29/04/2019 - 8:28

Cotações Crypto
Pela Web