Queda no preço das criptomoedas e “pitacos” do JPMorgan: confira o desempenho do mercado

Brave New Coin
13/09/2021 - 10:26
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Confira um resumo semanal sobre notícias relevantes relacionadas a cripto: mercados cripto sofrem queda conforme posições de compra são liquidadas, JPMorgan prevê outra grande correção de mercado e Cardano dá início à sua era de contratos autônomos (Imagem: Unsplash/executium)

Foi uma semana difícil de negociações no mercado de criptomoedas conforme muitos ativos de grande capitalização sofreram prejuízos na casa das dezenas. O bitcoin (BTC) caiu 10%, sendo negociado a US$ 45,1 mil, enquanto o ether (ETH) caiu 15%, precificado a US$ 3,3 mil.

A semana começou mal após um “long squeeze” — quando investidores liquidam e encerram suas posições — fez o preço do bitcoin e do ether cair para US$ 42 mil e US$ 3 mil, respectivamente.

O volume total de posições abertas de contratos futuros e opções de bitcoin e ether disparou desde julho conforme investidores buscavam oportunidades para se beneficiarem de um mercado eufórico.

Baleias” oportunistas notaram essa formação de mercado sobrealavancada e, provavelmente, desencadearam um ataque para se beneficiarem.

Em casos como esse, baleias arquitetam uma queda de preço ao criar pressão de venda que derruba posições de compra.

Na terça-feira passada (7), investidores apavorados foram forçados a se desfazer de tokens a baixos preços quando suas posições começaram a ser afetadas após a queda de preço. Baleias rapidamente “engoliram” criptoativos recém-vendidos por conta de seu preço reduzido.

Mais de 50% das posições abertas e registradas desde julho foram encerradas na última semana. O equivalente a US$ 1,2 bilhão em posições de bitcoin foram liquidadas na última terça-feira e quase todas eram posições de compra.

A Skew informa que, entre os mercados, a quantia total de liquidações pode estar próxima dos US$ 2,1 bilhões.

A recuperação após a queda de preço foi fraca. Alguns analistas sugerem que o baixo desempenho do mercado aconteceu por conta da alta predominância de investidores de varejo sem experiência no setor cripto.

JPMorgan, o gigante banco de Wall Street, enviou um alerta na última semana, afirmando que houve uma “febre dos investidores de varejo” nos mercados de ativos digitais.

Nikolaos Panigirtzoglou, diretor de gestão do JPMorgan, afirmou que mercados de varejo estão impulsionando o valor de “altcoins” (criptomoedas alternativas ao bitcoin) de baixa capitalização a novas altas no último mês.

Isso fez com que a participação do bitcoin, no mercado cripto como um todo, atingisse níveis baixos e históricos.

Ele citou o crescente nível de negociação das altcoins. Agora, essas criptomoedas representam 33% do mercado de criptoativos — um aumento significativo da participação de 22% registrada em agosto. O auge de interesse nas altcoins é um sinal positivo para o mercado cripto.

JPMorgan citou solana (SOL), cardano (ADA) e binance coin (BNB) como ativos possivelmente sobrecomprados.

Panigirtzoglou compartilhou a tendência de alta nos mercados à força dos preços entre janeiro e maio. Após a queda de mercado em maio, o preço de ativos, como ether e binance coin, caiu pela metade até a terceira semana de julho. Durante esse período, o preço do ether caiu de US$ 4.183 para US$ 1.795.

Durante a semana passada, El Salvador se tornou o primeiro país a implementar o bitcoin como uma moeda corrente. Já o México negou que iria seguir essa moda.

Na última quinta-feira (9), Alejandro Diaz de Leon Carrillo, presidente do Banco de México, afirmou que o bitcoin era mais um meio de troca do que uma forma evoluída de moeda corrente. Ele chamou o bitcoin de investimento de alto risco e fraca reserva de valor.

O que vem por aí esta semana?

12 de setembro: bifurcação Alonzo

A rede blockchain Cardano, cujo criptoativo é o terceiro maior do mercado, implementou contratos autônomos à sua rede principal como parte da bifurcação drástica Alonzo.

Após uma espera de quatro anos, desenvolvedores finalmente podem criar aplicações descentralizadas (dapps) e programas no blockchain.

O lançamento foi comemorado como o fim de uma longa jornada para o projeto e foi bem-recebido pela comunidade de investidores. ADA terminou a semana com uma queda de 16%.

14 e 15 de setembro: Blockworks Digital Asset Summit

Grandes conferências presenciais estão acontecendo novamente na indústria blockchain. Esta semana, a Digital Asset Summit começa em Nova York.

Grandes palestrantes do evento incluem Dan Morehead da Pantera Capital e Bart Smith da Susquehanna — uma das maiores empresas de negociação algorítmica do mundo.

Os bate-papos irão incluir o acesso institucional a empréstimos e mercados, a ascensão de bancos cripto e a mineração de bitcoin.

Top 10 criptoativos da semana

(Imagem: BNC/tabela de capitalização de mercado)

Foi uma semana difícil para grandes criptoativos, quando apenas SOL ofereceu rendimentos significativos.

Dogecoin (DOGE) foi o ativo de pior desempenho dentre os dez principais criptoativos conforme perde força em relação a outras altcoins e cópias.

Em agosto, uma moeda chamada Dogecoin 2.0 disparou no último mês, para a infelicidade da Dogecoin Foundation, que pediu que o projeto trocasse seu nome. DOGE caiu 12% no último mês.

Gráfico de preço do bitcoin

(Imagem: BNC/BLX)

O bitcoin está variando entre US$ 44 mil e US$ 47 mil desde a grande liquidação da última terça-feira.

A Glassnode informou bitcoins adquiridos no primeiro e segundo trimestres de 2020 continuam bem-armazenados, sugerindo força entre detentores do mercado cripto e uma vontade de novos investidores em ver novas quedas — a fim de comprar os ativos a preços mais baixos.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 13/09/2021 - 10:34

Quer ficar por dentro de tudo que acontece no mercado cripto?
Receba de segunda a sexta as principais notícias e análises. É grátis!
Ao clicar no botão você autoriza o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.
Cotações Crypto