Cotações por TradingView
Cotações por TradingView

Bitcoin atrai grandes compradores e preço dispara

28/10/2020 - 14:06
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Conforme o preço do bitcoin atinge níveis nunca antes vistos desde janeiro de 2018, uma análise de três principais direcionadores de preço mostra que todos os três são tendências macro a longo prazo, apoiando a narrativa de uma tendência positiva e estável (Imagem: Unsplash/@cliffordgatewood)

O que está direcionando o preço do bitcoin?

Neste artigo, apresentamos o segundo de três fatores que podem ser a força motriz por trás dos preços no setor de criptoativos a curto prazo. Cobrem amplas narrativas tradicionais de regulamentação, condições externas de mercado e novas tecnologias.

2. Surgimento como uma proteção viável: bitcoin atrai grandes compradores

O anúncio do PayPal se alinha a uma lista crescente de empresas das finanças tradicionais que estão explorando criptoativos como uma oportunidade viável e tecnológica de investimento.

Recentemente, as empresas listadas em bolsa MicroStrategy e Square anunciaram que alocaram grandes quantias em bitcoin em suas reservas de tesouraria.

Existe um ciclo positivo de feedback, pois o preço de ações dessas empresas tiveram ganhos saudáveis junto com o crescente preço do bitcoin. Se essa tendência continuar, será um bom sinal para o preço da criptomoeda a curto prazo.

Sobre o investimento, Michael Saylor, CEO da MicroStrategy, disse que a empresa “reconhece o bitcoin como uma reserva dependente de valor e um atraente ativo de investimento com maior potencial de apreciação a longo prazo do que armazenar dinheiro […] e, assim, tornou o bitcoin no principal ativo de sua estratégia de reserva de tesouraria”.

Junto com os comentários de Saylor, a forte demanda no preço do bitcoin pode ser comparada ao péssimo desempenho do dólar americano.

O índice DXY, que compara o dólar com uma cesta de grandes moedas fiduciárias, caiu, em setembro, para seu menor ponto em dois anos. Apesar de sua consolidação, continua em uma queda de 4% este ano.

Provavelmente, esse foi um sinal encorajador para investidores em bitcoin, dada a relação inversa com o dólar americano e o bitcoin no último ano.

(Imagem: TradingView)

Desde a quinta-feira sombria de março, o bitcoin passou por uma forte correlação negativa com o dólar do que ativos de proteção como ouro, que protegem investidores da incerteza econômica e são defesas contra a inflação.

O impacto global da COVID-19 foi um principal direcionador macro.

Altas taxas de mortalidade e infecção, número crescente de desemprego e planos de contenção por grandes parte dos países para abordar essas questões, bem como o estímulo fiscal contínuo, fizeram com que a confiança na economia despencasse — principalmente nos EUA, onde a economia foi muito abalada e o valor do dólar americano sofreu.

Assim, as características econômicas do bitcoin de fornecimento finito e inflação fixa e programada ajudaram a estabelecer seu atrativo este ano como uma alternativa viável para investidores tradicionais contra o inflacionário dólar americano.

Paul Tudor Jones, o bilionário gestor de fundos de hedge, reiterou o valor macro do bitcoin durante uma aparição no programa Squawk Box do canal americano CNBC na última quinta-feira (22).

Afirmou ter chegado à conclusão de que o bitcoin continuará sendo a melhor opção de “defesa” contra a inflação.

Jones elevou o bitcoin acima de outras opções, incluindo ativos das finanças tradicionais, como ouro, cobre, o índice de commodities GSCI e a curva de rentabilidade para posições de compra.

Ele também sugeriu que, agora, o bitcoin está estabelecendo sua credibilidade e integridade, que não existiam no passado, para complementar suas características defensivas e poderosas da base, portabilidade e alta liquidez de um pequeno investidor.

“Estamos vivenciando a primeira grande chance do bitcoin”,
afirma o bilionário Paul Tudor Jones

Ethereum 2.0 vem aí?

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 28/10/2020 - 14:22