Staking: como obter rendimentos com suas criptomoedas sem fazer quase nada

14/02/2021 - 11:00
Staking é uma boa pedida para quem aplica suas criptomoedas em plataformas a fim de obter rendimentos a longo prazo por meio de uma taxa de juros (Imagem: Pixabay/sirlekabanen)

Há quem diga que o bitcoin seja uma reserva de valor, um meio de troca ou um sistema de pagamentos. Essa definição varia de pessoa para pessoa.

Uma coisa é certa: o preço do bitcoin está aumentando conforme grandes empresas entendem que esse ativo é uma boa opção de investimento a longo prazo.

Se você acha o bitcoin muito caro — lembre-se que ele pode ser adquirido em frações: R$ 100 = 0,00039 BTC — e quer investir em outras criptos e fazê-las render, staking é para você.

O que é staking?

Staking é a aplicação de fundos para demonstrar seu interesse em ajudar na segurança do blockchain e, em troca, você obtém recompensas (Imagem: Freepik/gstudioimagen)

Imagine que você queira guardar dinheiro. Você pensa: “este mês, vou fechar a mão. Quero ter x reais daqui a um ano para poder viajar”. Qual a primeira opção que vem à mente do brasileiro? Poupança.

Segundo a XP Investimentos, o rendimento da poupança é de cerca de 1,4% ao ano, ou seja, rende menos que a inflação. Então, qual seria a melhor forma de fazer esse dinheiro render?

Depende do seu perfil de investidor. Há quem prefira os fundos imobiliários, a renda fixa, o mercado de ações… Cada investidor busca pelas melhores oportunidades de fazer o seu dinheiro render.

Aqui no Money Times, noticiamos diversos acontecimentos do mercado financeiro para investidores tomem suas próprias decisões — de acordo com seu perfil de risco. Porém, aqui no Crypto Times, falamos de cripto.

Se você leu aqui é porque “staking”, esse termo tão diferente, chamou a sua atenção, certo? E se eu te dissesse que staking é uma poupança cripto que pode render absurdamente?

Ficou curioso? Vamos lá!

“Staking” é um termo financeiro bem único dos mercados cripto. Decrypt explica:

Como um investidor, você concorda em aplicar todas as suas criptos para ajudar uma rede específica a validar transações. 

Em troca disso, você obtêm recompensas, basicamente na forma de tokens.

Para que serve o staking?

A garantia de uma rede blockchain é possível graças a mecanismos de consenso que permitem seu funcionamento contínuo e justo (Imagem: Freepik/stories)

Staking é possível graças a um tipo de “mecanismo de consenso” que, basicamente, são regras que definem a forma (justa) em que uma rede cripto deve funcionar.

Os dois principais mecanismos de consenso existentes em redes cripto — mais especificamente, em blockchains — são proof-of-work (PoW) e proof-of-stake (PoS).

O algoritmo proof-of-work garante a segurança da rede blockchain pela mineração de criptomoedas — processo em que poder computacional é aplicado para encontrar uma solução matemática complicada que dá o direito de transmissão de um bloco de transações.

Assim, aqueles que tiverem as máquinas de mineração mais potentes têm mais chances de encontrar essa solução matemática mais rápido e garantir a segurança e confiabilidade do blockchain.

Porém, PoW é criticado, pois a mineração cripto não é algo sustentável, já que milhares de máquinas precisam estar ligadas, em uma grande competição tecnológica, a fim de obter a recompensa fornecida pelo protocolo a cada transmissão de bloco (atualmente, de 6,25 BTC).

Por outro lado, proof-of-stake é um mecanismo mais sustentável.

Em vez de solucionar um quebra-cabeça matemático, um nó (participante da rede) garante o direito de transmitir o bloco de transações à rede com base na quantia que está “bloqueada” (“aplicada”) na rede, ou seja, a quantia em staking de seus criptoativos.

Quando soluciona o quebra-cabeça da rede, recebe uma recompensa na forma do token principal da rede. Porém, se fizer algo de errado, uma parte de seus criptoativos em staking pode ser “queimada”, como um tipo de punição para maus agentes.

Como o staking é feito?

Existem locais onde diversos investidores unem seus tokens, chamado de “pools de staking”. 

Os responsáveis por esses pools alocam os ativos em nome dos investidores para que estes não precisem saber os meandros da tecnologia blockchain, mas dando a possibilidade de obter recompensas por seus ativos aplicados (em staking).

Qual é a diferença entre staking e empréstimos com cripto?

Qual é a melhor plataforma de empréstimos cripto é uma questão em aberto (cada uma tem sua própria abordagem e seus próprios processos) mas, com certeza, taxas de juros anuais pagas são um bom ponto de partida (Imagem: Facebook/BlockFi)

Staking ajuda a garantir a segurança da rede, pois é como se você tivesse investindo em uma rede específica. Já empréstimos cripto permitem que você ganhe juros de forma passiva ao emprestar seus ativos, a fim de ajudar na liquidez em plataformas de negociação. Clique aqui para saber mais.

Empresas cripto também criam pools de empréstimos para receber esses ativos emprestados. Em seguida, o pool cria uma taxa que varia de token para token e é possível começar a ganhar rendimentos quase imediatamente.

Quais são os pontos negativos entre as duas estratégias?

A desvantagem do processo de staking é que as taxas são divididas entre mais investidores, ou seja, não vão diretamente para você.

Além disso, há o risco de volatilidade da rede na qual você aplica o staking, que pode ter um grande impacto em seu investimento.

Já a desvantagem de empréstimos com cripto são as variações nas taxas de juros ao longo do tempo, pois dependem do nível de popularidade da moeda. Clique aqui para conferir as diferentes taxas em plataformas cripto.

Por que eu deveria considerar realizar staking ou empréstimos?

Se comprar uma criptomoeda e mantê-la é o primeiro passo, staking e empréstimos são o segundo passo.

Ambas as estratégias ajudam você a aumentar o tamanho de suas posses em bitcoin ao apenas escolher quais plataformas você deseja aplicar seu dinheiro.

Clique aqui para saber mais.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 08/03/2021 - 15:27

Pela Web