Mercado cripto: e se tudo desse errado?

20/02/2021 - 11:00
Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento
Maximalistas são aquelas pessoas que acham que uma solução será a resposta para tudo. Mas e se as duas maiores criptomoedas e redes blockchain do mundo (Bitcoin e Ethereum) fossem substituídas ou afetadas? (Imagem: Unsplash/executium)

No Twitter, Ryan Selkis, da Messari, publicou a seguinte pergunta?

Se você for um maximalista de bitcoin e ether, o que teria de acontecer para que sua convicção sobre sua rede preferida fosse abalada?

O analista recebeu diversas respostas e as elencou.

Para o bitcoin:

Reviravolta na dominância de capitalização de mercado

Se o bitcoin perdesse o primeiro lugar de capitalização de mercado, muitas convicções maximalistas seriam abaladas.

Apesar de narrativas comuns de quedas drásticas, acredito que, se o bitcoin fracassasse, seria um declínio lento e gradual:

a) o fracasso/a lentidão da inovação e da velocidade;
b) baixas taxas de adesão;
c) o preço passasse por uma queda lenta e prolongada;
d) super-regulamentação de governos;
e) a comunidade perdesse o seu vigor.

Em outras palavras, o bitcoin é inocente até que se prove o contrário.

O colapso da mineração causaria problemas de segurança

O preço colapsa durante um período suficiente para que a mineração com chips com circuitos integrados de aplicação específica (ASICs) se torne permanentemente muito cara.

Isso indicaria um mercado de baixa de quatro anos a preços pré-ASICs… Isso provavelmente destruiria a segurança da rede. Sem mineradores com ASICs específicos, a rede estaria frágil.

Concordamos. A segurança em redes proof-of-work (PoW) é um daqueles riscos escondidos que são bem subestimados, mas apresenta uma preocupação geopolítica (na China) bem legítima.

Ataques governamentais

“Uma reversão ao padrão-ouro. Talvez se os bancos banissem o bitcoin para instituições e surgissem novas moedas digitais emitidas por bancos centrais (CBDCs) fossem lastreadas por reservas”.

Isso parece… improvável.

EUA não irão banir o bitcoin, afirma Brian Brooks,
diretor operacional do OCC

Ataques quânticos

Computadores quânticos poderiam solucionar o algoritmo SHA-256 antes mesmo de percebermos. Transações fraudulentas poderiam acontecer durante meses/anos. A equipe de desenvolvimento iria agir lentamente para mudar o algoritmo.

Falando como um cientista e maximalista de bitcoin, apenas um gasto duplo persistente seria capaz de falsificar minha crença na exatidão da tese de Consenso de Nakamoto (e, assim, solucionar o Experimento do Bitcoin).

Muitas coisas irão fracassar no mundo da computação quântica. Nesse caso, gastos duplos em cripto são o menor de nossos problemas.

A supercriptografia do Bitcoin: é possível
evitar a ameaça dos computadores quânticos?

Craig Wright = Satoshi Nakamoto

Há anos, Craig Wright se apresenta como o criador do Bitcoin, mas sempre falhou em fornecer provas de que isso é verdade (Imagem: Forbes)

Não sou um maximalista, mas e se Craig Wright migrasse os tokens da carteira de Satoshi?

À primeira vista, isso destruiria a mitologia sobre o criador de bitcoin, mas seria um choque temporário (e até mesmo po$itivo) ao sistema.

Isso tem menos de 1% de chance de acontecer mas, caso acontecesse, Craig Steven Wright certamente é o tipo de pessoa que gosta de “ver o mundo queimar”, e é provável que suas grandes vendas limitassem o interesse institucional no bitcoin.

Craig Wright, o “criador” do bitcoin,
pede que sites removam whitepaper da criptomoeda

Para a Ethereum:

“ETH Killers” ganhando força

Se alguém como DOT, SOL etc. criasse uma ponte rápida e sem necessidade de confiança ao qual projetos DeFi [finanças descentralizadas] começassem a migrar e se beneficiassem de transações baratas em grande escala enquanto ETH 1.0 continua tentando escalar por mais de um ano, eu provavelmente abandonaria esse barco.

Se os grandes projetos desenvolvidos na Ethereum migrassem para Cardano (ADA) por meio de um conversor de padrões ERC por não haver mais valor em utilizar ETH até a próxima fase da escalabilidade da ETH 2.0… Polkadot (DOT) é promissora no setor de tokens não fungíveis (NFTs), então eu diria que uma aplicação descentralizada (dapp) bem-sucedida e que fornecesse grandes rendimentos seria promissora.

Os maiorais do setor DeFi/NFTs estão migrando para outros blockchains.

Outros blockchains de primeira camada estão se tornando cada vez mais simples de desenvolver e mais fáceis/baratos de usar, principalmente se soluções interblockchains ganharem força.

Outros blockchains de primeira camada estão avançando na inovação e desbloqueando o valor (liquidez em staking).

Se algo de valor fosse criado em qualquer outro lugar que não fosse a Ethereum, me faria pensar. Até agora… cri, cri… exceto pelas pontes à Ethereum.

São preocupações comuns, refletidas no rali que triplicou e quintuplicou nas últimas seis semanas e que já vimos em outras alternativas de primeira camada.

O potencial desafio a ser enfrentado pelos “Ethereum Killers”

Escalabilidade interrompida da ETH 2.0

ETH2 é basicamente o futuro binário para ETH. Atualmente, é como uma outra grande rede como a ARPANET, mas pode evoluir.

É um apocalipse de interoperabilidade de repartições [sharding] na ETH.

Isso não é necessariamente uma vantagem aos competidores. Falhas na ETH2 iriam atrapalhar o crescimento em todo o ecossistema em um futuro próximo.

Novo! Receba Grátis a Newsletter
Crypto Times
Uma newsletter que minera informação para você!

Autorizo o Money Times a utilizar os dados fornecidos para encaminhar conteúdos informativos e publicitários.

Última atualização por Daniela Pereira do Nascimento - 19/02/2021 - 16:17

Pela Web